Diarreia e vômito são sintomas mais comuns em crianças com COVID-19, alerta novo estudo no Reino Unido

Diarreia e vômito são sintomas mais comuns em crianças com COVID-19, alerta novo estudo no Reino Unido

No começo da pandemia do novo coronavírus, quando ainda se conhecia pouquíssimo sobre a COVID-19, acreditava-se que a doença afetava sobretudo os idosos. Nove meses depois, com 26 milhões de contaminados no mundo inteiro e quase 870 mil mortes, especialistas de saúde sabem que, apesar de terem sintomas menos graves, jovens e crianças também ficam doentes e transmitem o vírus.

Nos últimos meses, muitos estudos têm sido feitos para esclarecer como o coronavírus se comporta dentro dessa população de faixa etária mais jovem. Análises feitas por pesquisadores da Queen’s University, de Belfast, na Irlanda do Norte, revelam que sintomas gastrointestinais, como diarreia e vômito, foram mais comuns do que tosse e perdas de olfato e paladar entre crianças infectadas pelo coronavírus.

Desde maio, o estudo avaliou os sintomas de mais de 1 mil crianças da Irlanda do Norte, Escócia, Inglaterra e Wales, que testaram positivo para a COVID-19. O objetivo da pesquisa era estimar o número de crianças que tiveram a doença, quais eram os principais efeitos da doença e se elas têm anticorpos que podem ser capazes de combater a infecção.

De acordo com os resultados preliminares obtidos pelos pesquisadores, após a primeira onda da pandemia, 7% das crianças testaram positivo para anticorpos. Metade delas, que apresentou sinal da infecção com COVID-19, não relatou sintomas. Os outros 50% afirmaram terem tido problemas gastrointestinais.

“Descobrimos que metade das crianças participantes neste estudo são assintomáticas com infecção por SARS-CoV-2 e aquelas com sintomas normalmente não apresentam tosse ou alterações no cheiro/paladar , sendo a perturbação gastrointestinal um sintoma muito mais comum”, afirma Tom Waterfield, pesquisador do Wellcome-Wolfson Institute for Experimental Medicine da Queen’s University Belfast e principal autor do estudo.

Para Waterfield, saber que crianças apresentam diferentes sintomas ao serem contaminadas pelo coronavírus ajudará na avaliação de médicos ao tratá-las e na definição de novos critérios para testes de diagnóstico.

Ter um conhecimento maior sobre como os mais jovens reagem ao coronavírus também é muito importante neste momento, em que muitos países do mundo estão reabrindo as escolas e trazendo os alunos de volta para as salas de aula. Com os dados da pesquisa britânica, pais e educadores poderão ficar mais atentos a sinais que apontem que seus filhos ou alunos podem estar com a doença.

“Estudos de pesquisa são vitais neste momento. Agora sabemos mais sobre a COVID-19 em termos de exposição de crianças ao vírus SARS-CoV-2. Essas descobertas podem ser analisadas mais à medida que continuamos a monitorar a transmissão comunitária em crianças para ajudar a combater a disseminação da doença”, destaca Ian Young, cientista chefe e diretor do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Pública de Saúde do Reino Unido.

Há poucos dias, divulgamos outro estudo internacional que demonstrou que crianças infectadas pelo coronavírus apresentam carga viral mais alta que adultos. O que chamou a atenção dos cientistas foi constatar que nos dois primeiros dias de sintomas de crianças contaminadas com o SARS-CoV-2, a carga viral delas era mais alta do que a de adultos hospitalizados em estado grave (leia mais aqui).

Leia também:
80 milhões de crianças deixam de ser vacinadas contra sarampo, polio e difteria por causa da pandemia de COVID
Nutrição para Imaginação: coletivo distribui kits para alimentar a criatividade das crianças e a brincadeira durante a quarentena
Greta Thunberg se une à Human Act e UNICEF em campanha para salvar e proteger as crianças vulneráveis durante a crise do coronavírus

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta