Dia da Terra ganha campanha mundial para plantio de árvores e a assinatura do acordo climático

dia-da-terra-acordo-climatico-greyerbabay-pixabay-800
Todo ano, no dia 22 de abril, o mundo homenageia a Terra. Lembra tudo de maravilhoso que ela proporciona, como belezas e recursos naturais e também o desrespeito cometido diariamente por parte da humanidade – mas que atingirá a todos, sem distinção -, que tem transformado o planeta, alterado seu sistema e, consequentemente, desenhado um futuro incerto e tenebroso com o avanço do aquecimento global. A cada ano, o planeta fica mais quente.

Não é à toa que a nova campanha da ONU Árvores da Terra ou Trees for the Earth, em parceria com a Earth Day Network* –, foca no plantio de árvores. O objetivo das duas instituições (a ONU, representada pelo Pnuma – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) é que, até 2020, o planeta tenha uma árvore plantada para cada habitante, ou seja, 7,8 bilhões espalhadas pelo planeta.

A campanha visa criar e ampliar a cultura do verde e criar um novo olhar para a natureza. Afinal, as florestas são aliadas imprescindíveis no combate às alterações do clima e à restauração do equilíbrio ecológico no planeta. Elas absorvem o gás carbônico, limpam o ar, mantêm o fluxo dos rios e a estabilidade do solo.  Então, vamos plantar árvores!

Por isso, este ano, o Dia da Terra ganhou a companhia de uma nova e importante celebração da ONU, que ficará registrada como um inesquecível momento histórico: a assinatura do acordo climático firmado em Paris, em dezembro último, na 21ª. Conferência de Mudanças Climáticas, a COP21. Levando isso em conta, neste dia especial, a ONU propõe às pessoas que não se limitem ao plantio de árvores, mas também as abracem , disseminem conhecimentos a respeito delas e fotografem sua árvore preferida, compartilhando nas redes sociais com as hashtags #TreesForTheEarth e #ÁrvoresDaTerra.

“Esses gestos vão marcar a assinatura do Acordo de Paris porque são uma forma de expressar solidariedade, amor e esperança”, diz Christiana Figueres, secretária executiva da Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas, que também estará presente à cerimônia de assinatura do documento. 

O Acordo de Paris, em Nova York

A cerimônia será realizada – a partir das 9h30 (horário de Brasília) e com transmissão ao vivo – na sede da ONU, em Nova York , liderada pelo secretário-geral, Ban Ki-moon, e com presença recorde de países membros e chefes de Estado (entre eles a presidente Dilma Roussef). Até quarta (20/4), dos 196 membros, 160 haviam confirmado participação.

Na verdade, hoje o documento se abre para assinaturas e permanecerá disponível para as nações que não puderem comparecer à cerimônia. Mas quanto mais rápido o documento for assinado, melhor, já que este é o primeiro passo para garantir que o Acordo de Paris entre em vigor a partir de 2020, quando passa a valer oficialmente.

Mas, 30 dias após as primeiras assinaturas – caso estas representem, no mínimo, 55 países ou seus signatários sejam responsáveis por 55% das emissões de gases de efeito estufa no mundo –, o acordo já reconhece as ações implementadas pelos países para conter emissões e evitar o aumento da temperatura média do planeta.

*EarthDay Network é uma instituição que reúne organizações desde 1970 para ampliar e diversificar o movimento ambiental , construindo ambientes saudáveis e sustentáveis, enfrentar as mudanças climáticas e proteger a Terra para as futuras gerações.

Foto: Yerbaby/Pixabay

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta