PUBLICIDADE

Devido ao mercúrio, pescada amarela e corvina estão entre os peixes com restrições de consumo

O consumo de peixes como pescada amarela e corvina em grande quantidade e de forma frequente pode aumentar o risco de contaminação humana por mercúrio.

O alerta está em estudo publicado nesta hoje (15) na revista científica Anais da Academia Brasileira de Ciências por pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC), em colaboração com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Para avaliar os riscos da exposição dos seres humanos ao mercúrio pelo consumo de peixes, os cientistas coletaram e analisaram os níveis de mercúrio de 125 peixes de nove principais espécies comercializadas no mercado de peixes de São Luís, no Maranhão. Pesquisadores também coletaram dados de 574 moradores da região, entre 2017 e 2019, registrando seus hábitos alimentares e peso corporal.

mercúrio é um poluente tóxico para o meio ambiente e para a saúde humana, liberado como resíduo de atividades industriais. Nos seres humanos, o contato com esse elemento ocorre principalmente por meio da ingestão de animais contaminados e pode gerar problemas neurológicos.

Nos peixes analisados, a concentração média de mercúrio não excedeu os limites de segurança, de 0,5 miligrama para cada quilo do alimento. Mesmo assim, o artigo frisa que o consumo contínuo aumenta a exposição ao elemento, o que pode representar riscos à saúde.

O estudo aponta que as espécies carnívoras, como a pescada amarela e a corvina, apresentaram os maiores níveis de mercúrio – 0,296 e 0,263 miligramas para cada quilo, respectivamente. “Peixes carnívoros podem se alimentar de outros peixes e, portanto, ingerem maiores concentrações de mercúrio, comparados com peixes herbívoros, que consomem plantas com níveis mais baixos desse elemento”, explica o pesquisador e engenheiro de pesca Moisés Bezerra, um dos autores do estudo.

Consumo ideal

Os limites de segurança para consumo aumentam conforme o peso corporal da pessoa. Quatro das nove espécies de peixe analisadas necessitam de restrições de consumo para adultos, e sete para crianças.

Por exemplo, a margem de segurança para o consumo mensal da pescada amarela, para uma pessoa que pesa 65 quilos, é de 667 gramas desse peixe. Isso significa que adultos podem consumir esses peixes em cerca de quatro refeições por mês, enquanto crianças, em uma refeição por mês.

Já a corvina pode ser consumida de forma segura por adultos em até cinco refeições por mês”. Acreditamos que esse tipo de recomendação deve ser disponibilizada para os consumidores de forma simples e clara, como forma de promover o consumo seguro de pescado”, diz Bezerra.

Para o pesquisador, é preciso que o poder público invista na educação alimentar para garantir o consumo apropriado dos pescados, que são importantes fontes de nutrientes e estão associados à cultura e à economia da região Norte.

“O estudo contribui e serve de subsídio para a implementação de políticas públicas que visem informar e promover o consumo de pescado de forma segura”, observa Bezerra.

“Os consumidores podem selecionar os tipos de pescado com menores concentrações ou consumir as espécies que mais preferem numa frequência adequada para não se expor ao mercúrio de forma excessiva” complementa.

Leia mais:
Fiocruz encontra mercúrio em amostras de cabelo de indígenas Yanomami que vivem em Roraima
Agrotóxicos, mercúrio e esgoto contaminam rios e matam peixes na Costa dos Corais
Peixes consumidos pela população da Amazônia têm mercúrio acima dos limites aceitáveis
Morre o ambientalista Cássio Beda, vítima do mercúrio dos garimpos ilegais na Amazônia

_________________

Agora, o Conexão Planeta também tem um canal no WhatsApp. Acesse este link, inscreva-se, ative o sininho e receba as novidades direto no celular.

* Este texto foi publicado originalmente no site da Agência Bori em 15/4/2024

Foto: Luís Molinero/Freepik

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE