Deputados entram com pedido de CPI na Câmara para investigar ações de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente

Deputados entram com pedido de CPI na Câmara para investigar ações de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente

Um grupo de deputados de vários partidos – PV, Rede, PSB, PDT, PT, PSOL e PCdoB – protocolou na quarta-feira (28/04) um pedido para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de omissões, atos ilegais e infrações possivelmente cometidas pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Entre os que assinaram o requerimento estão os deputados Alessandro Molon, Marcelo Freixo, Danilo Cabral, Joenia Wapichana e Arlindo Chinaglia.

São necessárias 171 assinaturas de parlamentares para que a CPI seja instaurada. Até ontem já havia a adesão de 130 deputados.

O objetivo da investigação é analisar diversas denúncias feitas contra Salles, entre elas, o envio da notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal (STF) feito pelo delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva, responsável pela ação que resultou na maior apreensão de madeira ilegal da história do país. Ele alega que o ministro teve “o intento de causar obstáculos à investigação de crimes ambientais e de buscar patrocínio de interesses privados e ilegítimos perante a Administração Pública”. Por causa da denúncia, Saraiva foi exonerado da superintendência da Polícia Federal no Amazonas (leia mais aqui).

Os deputados que pediram a abertura da CPI querem ainda que sejam investigados o processo de desmonte ambiental feito pelo governo em órgãos de fiscalização, como o Ibama e o ICMBio, e o aumento crescente do desmatamento na Amazônia – a floresta apresentou recorde de destruição para o mês de março: a maior alta dos últimos seis anos.

No começo da semana, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia determinou que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre as notícias-crime apresentadas contra Salles. Para ela, “os fatos narrados são de gravidade incontestável e envolvem tema de significação maior para a vida saudável do planeta, como é a questão ambiental”.

Deputados entram com pedido de CPI na Câmara para investigar ações de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente

Cópia do documento apresentado na Câmara para
instauração de CPI contra Salles

Leia também:
Inpe, o órgão do governo que monitora desmatamento, deve ter corte de 15% no orçamento em 2021
Devastação na Amazônia atinge a maior taxa em 12 anos
Quase 50% dos focos de incêndio na Amazônia estão em áreas recém-desmatadas, revela Inpe

ICMBio proíbe servidores de publicarem textos e artigos científicos sem autorização prévia
Sociedade civil entra com ação no Supremo Tribunal Federal pela retomada imediata de plano de combate ao desmatamento na Amazônia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Deputados entram com pedido de CPI na Câmara para investigar ações de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente

  • 29 de abril de 2021 em 4:19 PM
    Permalink

    Medidas sérias já deveriam ter sido tomadas desde o início mas nenhuma providencia foi encaminhada. Caso tivessem cumprido seus deveres como parlamentares, muitas queimadas teriam sido evitadas e não haveria o espetáculo macabro de inocentes animais selvagens sofrendo atrocidades. Pior, continuam !!!! As comunidades indígenas massacradas e o povo brasileiro indiferente e inerte ignorando. Não todos os brasileiros mas a grande maioria. No momento, está mobilização vem da pressão externa com críticas e sansões, felizmente. Não deixa de ser uma vergonha para o Brasil que trata sua própria casa, com negligência , exploração e apropriação indébita.

    Resposta

Deixe uma resposta