PUBLICIDADE

De 10 mil para 18 mil em quatro anos: como pequena lagartixa, considerada uma ‘joia’ do Caribe, escapou da caça e do tráfico

De 10 mil para 18 mil em quatro anos: como pequena lagartixa, considerada uma 'joia' do Caribe, escapou da caça e do tráfico

Mesmo minúscula, do tamanho aproximado de um clipe de papel, ela é belíssima. Sua pele, coberta por escamas, parece uma pintura de tão ornamentada. Não por menos ela é chamada de “joia do Caribe“. A lagartixa com garras de Granadinas ou lagartixa da Ilha da União (Gonatodes daudini) só foi descrita pela ciência em 2005.

Mas não é difícil imaginar porque um animal, que pesa menos do que uma pitada de sal e atinge no máximo 3 cm quando adulto, é considerado tão frágil e ameaçado, ainda mais, quando sua única população no planeta vive numa área de apenas 50 hectares, ou seja, não muito maior do que a cidade do Vaticano.

Na verdade, essa lagartixa tem como habitat a Ilha da União, que faz parte da nação de São Vicente e Granadinas. E logo após ter sido descoberta, ela se tornou muito cobiçada por colecionadores e o mercado de espécies exóticas “de estimação”, o que fez, com que em apenas um ano, sua população fosse reduzida em 20% por causa do tráfico internacional.

Em 2017, ela já era considerada o réptil mais comercializado por esses criminosos na região do Caribe. Estimou-se que só existissem cerca de 10 mil indivíduos na vida selvagem.

Entrou em ação então uma operação de emergência para proteger a lagartixa da Ilha da União e salvá-la de uma iminente extinção. Juntaram esforços governo e comunidade locais e organizações de conservação, como a Fauna & Flora Internacional (FFI) e a Re:wild.

O resultado dessa união é que, quatro anos mais tarde, a população da lagartixa caribenha saltou de 10 mil para 18 mil animais, um aumento de 80%.

“Como um cidadão da Ilha da União e líder comunitário, estou extremamente orgulhoso de fazer parte dessa história de sucesso”, disse Roseman Adams, co-fundador da Union Island Environmental Alliance (UIEA). “Sem dúvida, nossa dedicação e sacrifício compartilhados e inabaláveis nos trouxeram até aqui. Agora temos que ser totalmente consistentes com novas melhorias em nosso manejo e proteção do habitat da lagartixa para que esse sucesso seja mantido”.

De 10 mil para 18 mil em quatro anos: como pequena lagartixa, considerada uma 'joia' do Caribe, escapou da caça e do tráfico

Imagem aérea da Ilha da União, único habitat da belíssima lagartixa
(Foto: Jacob Bock/Fauna & Flora International)

Entre as medidas implementadas para preservar a lagartixa estão o aumento da sua área de proteção, a instalação de câmeras de vigilância e patrulhas para combater a caça ilegal. Em 2019, o réptil também foi incluído na lista de preservação da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES, na sigla em inglês).

“Nossos esforços de vigilância, juntamente com a legislação da CITES, têm percorrido um longo caminho para dissuadir os caçadores furtivos, mas sabemos que ainda há pessoas por aí com a lagartixa de Union Island em sua lista de alvos”, alerta Isabel Vique, gerente de programa da FFI para o Caribe .

Apesar das boas notícias, a especialista alerta que é preciso continuar vigilante. “Com sua paisagem sensacional e uma miríade de belas espécies, o habitat das lagartixas está ameaçado de destruição. Se não for gerido adequadamente, o desenvolvimento de Union Island não só coloca em risco o futuro da lagartixa, mas também afetará um grande número de outras espécies ameaçadas que são endêmicas desta área”.

De 10 mil para 18 mil em quatro anos: como pequena lagartixa, considerada uma 'joia' do Caribe, escapou da caça e do tráfico

População local participa do trabalho para proteger a minúscula lagartixa
(Foto: Roseman Adams/Fauna & Flora International)

*Com informações e entrevistas da reportagem de Tim Knight para a Fauna & Flora International

Leia também:
Tecnologia de impressão 3D dá vida a lagartixa raríssima, em risco de extinção, para que mais pessoas a conheçam e lutem por sua proteção
Pesquisadores descobrem lagartixa fluorescente que vive no deserto da Namíbia
Lagartixa passa por evolução relâmpago para sobreviver à construção de usina em Goiás

Foto de abertura: Jacob Bock/Fauna & Flora International

Comentários
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
sabinojose
1 ano atrás

Mais uma história incrível de recuperação de espécie ameaçada. E que espetáculo ter a comunidade envolvida nas atividades de conservação.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE