Das montanhas à imensidão azul

Das montanhas à imensidão azul

Por ser mineiro, criado nas montanhas, sempre me identifiquei muito mais com esse tipo de ambiente do que com o mar.

Enquanto as alturas me traziam contemplação e conforto, o oceano geralmente me causava certo medo, aquela velha sensação de respeito pela imensidão azul, escura e desconhecida.

Mas para um bom biólogo e documentarista de natureza, o medo também traz junto a curiosidade. E essa curiosidade me motivou a descobrir o que havia escondido sob o manto azul.

Busquei um curso de mergulho e, gradualmente, fui ganhando conforto na água, entendendo os sons, as luzes e sombras do mar. Os gostos e desgostos de se estar sob dezenas de metros de água, e a delicada trama de vida que prospera nesses locais.

Para minha surpresa, descobri que a sensação de mergulhar e adentrar nas profundezas do oceano era muito similar à de escalar uma alta montanha: um misto de solitude, contemplação e insignificância diante da grandiosidade do nosso planeta – sensação essa que me move aos cantos mais remotos do mundo em busca da natureza que (ainda) resiste ali.

Deixo aqui um fragmento de um dos momentos mais emocionantes dessa jornada muito recente na minha vida, mas não menos incrível, que aconteceu durante um mergulho em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro.

Leia também:
Tocando o vazio
Tire a foto antes que derreta
Dos Andes ao Espinhaço em cinco dias
Ouro de tolo ou a ilusão do desenvolvimento

Foto: Augusto Gomes

Um comentário em “Das montanhas à imensidão azul

  • 2 de março de 2023 em 7:20 AM
    Permalink

    Amei este artigo, sou apaixonada com a natureza, a beleza do mar me fascina.

    Resposta

Deixe uma resposta

Augusto Gomes

Biólogo, consultor, documentarista de natureza e contador de histórias ambientais. Há 10 anos dedica-se à pesquisa e conservação dos Campos Rupestres, onde desenvolveu sua graduação e mestrado. Além dos trabalhos técnico-científicos, Augusto vem atuando extensivamente na documentação da natureza Sul-Americana desde 2009. Seus projetos em andamento giram em torno do patrimônio ambiental, histórico e cultural associado aos Campos Rupestres da Cordilheira do Espinhaço e às mudanças climáticas em montanhas tropicais. É colaborador da National Geographic, World Nomads, Biographic Magazine, Conexão Planeta e diversas organizações e plataformas voltadas para ciência, aventura e conservação, para as quais escreve e fotografa. Conheça mais sobre seu trabalho pelo Instagram e em seu site.