PUBLICIDADE

Criaturas inusitadas e misteriosas surpreendem cientistas durante pesquisas em manguezais

Criaturas inusitadas e misteriosas surpreendem cientistas durante pesquisas em manguezais

Em filmes um pouco mais antigos eram comuns cenas de ação envolvendo as temidas areias movediças. Mocinhos e vilões ficavam presos no solo mole e, quanto mais se mexiam, mais afundavam. No litoral brasileiro, pesquisadores do Programa Rebimar* enfrentam desafios parecidos nos manguezais. Para chegar em alguns pontos, eles precisam literalmente evitar serem engolidos junto com os equipamentos.

Não é difícil atolar até ficar complemente impossível se mover. O jornalista e documentarista do Rebimar, Gabriel Marchi, já ficou preso algumas vezes com o equipamento pesado. “Só não atola quem nunca foi. Eu afundei até a cintura. Foi desesperador”, conta ele (confira o vídeo aqui).

A bióloga Cassiana Baptista Metri conta que em locais onde há coleta de caranguejos e manguezais, próximos a comunidades, um dos lixos mais comuns são sapatos e solas de sapato. “Descola mesmo. A lama é tão pegajosa que se o calçado não for apropriado você fica descalço nos primeiros minutos, não tenha a menor dúvida”.

PUBLICIDADE

Em outros cantos do país as “areias movediças” também desafiam a persistência dos cientistas. Janaina Oliveira coordena o Projeto UÇÁ. A bióloga marinha lembra de quando começou a atuação no manguezal, no Rio de Janeiro, e hoje ri da situação. “Em uma das minhas primeiras vezes em campo, em 2013, eu atolei e fiquei presa. A equipe continuou fazendo o trabalho e eu fiquei lá parada esperando. Na volta, o pessoal retornou para me salvar”, recorda.

Criaturas inusitadas e misteriosas surpreendem cientistas durante pesquisas em manguezais

O desembarque é uma amostra do que os pesquisadores enfrentam
(Foto: arquivo pessoal/Cassiana Metri)

Caranguejos zumbi, alien e de três patas

A fauna do manguezal guarda outros mistérios assustadores. Um deles foi um caranguejo zumbi, encontrado durante um dia de pesquisa. “Ele estava completamente oco por dentro, como um morto-vivo. O catador pegou na nossa frente. Ele estava vivo, se mexendo e tudo mais”, relata Cassiana Baptista Metri.

Outro caranguejo encontrado pela equipe estava sendo devorado vivo por outro animal, que lembra muito a aparência dos temidos “aliens” em filmes de ficção científica. “Encontramos esse parasita grande que parece um alienígena, branquinho, dentro do caranguejo. Mas encontrei um só, o que é positivo, indica que os bichos não estão tão parasitados. A espécie é um isópode, parente do tatuzinho de jardim. Consegui filmá-lo ainda vivo, quando o retiramos de dentro do caranguejo”.

Criaturas inusitadas e misteriosas surpreendem cientistas durante pesquisas em manguezais

Parasita encontrado vivo dentro de caranguejo
(Foto: Cassiana Metri)

Outra surpresa foi trazida por um aluno, um caranguejo que tem uma das patas da frente com três dedos. “A família do estudante estava toda reunida para a refeição e os caranguejos já estavam cozidos. Foi quando alguém falou que queria aquele de três dedos. Por sorte, nosso aluno resgatou o bicho da mesa e hoje o exemplar raro está na faculdade. É nossa estrela. Sempre levamos para as exposições. Foi o único assim encontrado por aqui, até agora”, conta Metri.

Criaturas inusitadas e misteriosas surpreendem cientistas durante pesquisas em manguezais

O dedo extra em uma das patas do caranguejo
(Foto: Anne Carolina Sandi)

Predadores em ação

O caranguejo é uma iguaria que atrai diversas espécies curiosas de predadores. Em uma das frentes, o Projeto Uça, monitora o retorno da fauna em áreas restauradas pelo programa. “Colocamos câmeras em alguns pontos e conseguimos registros do mão-pelada – na imagem em destaque neste texto -, um mamífero que se alimenta do caranguejo. Ele tem esse nome porque não tem pelos nas patas”, explica Janaina.

Os pesquisadores, acostumados em ver a dificuldade dos catadores no mangue, se perguntam como o bichinho de braços tão curtos consegue capturar esses crustáceos nas tocas. Um enigma que logo deve ser desvendado pelas armadilhas fotográficas do projeto.

E não é só do solo vem o perigo para os caranguejos. Outro predador voraz é o gavião-caranguejeiro, uma águia rara que só vive em áreas de manguezal. O melhor lugar no planeta para observação é na Estação Ecológica de Guaraqueçaba, área de atuação do REBIMAR. Isso atrai um grande número de observadores de aves do mundo inteiro.

“Quando a maré baixa, o gavião-caranguejeiro aproveita para caçar. Com o bico forte, consegue quebrar com facilidade a dura carcaça do caranguejo-uçá e outros crustáceos. Ele tem entre 42 a 46 centímetros. Pode ser avistado o ano inteiro, mas no período reprodutivo fica mais ativo, o que facilita a observação”, orienta o guia e ornitólogo Raphael Sobania. Outra ave surpreendente que depende dos manguezais é o guará.

A alimentação baseada em pequenos caranguejos torna a cor dessa ave impactante. O vermelho vivo parece saltar na paisagem verde do manguezal. A espécie chegou a ficar extinta no Paraná por cerca de 80 anos e os bandos retornaram ao litoral em 2008. “Ainda é um mistério o retorno dos Guarás ao estado. Uma hipótese é que seja um excedente de população de Cubatão, em São Paulo”, avalia Sobania.


Um grupo de guarás se alimentando próximo a um manguezal
(Foto: Gabriel Marchi)

*O Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (REBIMAR) é uma iniciativa patrocinada pelo Governo Federal e pela Petrobras

Leia também:
Mapeamento inédito é realizado em manguezais da Grande Reserva da Mata Atlântica
Por que proteger os manguezais é proteger a nós mesmos?
Estudo revela potencial gigantesco mas ainda pouco explorado de estoque e sequestro de carbono dos manguezais brasileiros

Foto de abertura: Projeto Uçá

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE