PUBLICIDADE

Criada a primeira reserva marinha do mundo para a proteção de baleias cachalotes

Baleia cachalote encontrada morta na Espanha tinha 29 kg de plástico no estômago

Como parte das celebrações do aniversário de 45 anos da independência da Dominica, ilha localizada no mar do Caribe, o governo local anunciou a criação da primeira reserva marinha do mundo para proteger as baleias cachalotes. Numa área de 800 km2 ficarão proibidas a pesca industrial e a circulação de grandes navios.

As águas no entorno da ilha de Dominica são um importante berçário para a espécie e onde fêmeas descansam para alimentar seus filhotes. Estima-se que 500 delas passem por ali todos os anos.

“Queremos garantir que estes animais majestosos e altamente inteligentes estejam protegidos contra perigos e continuem a manter as nossas águas e o nosso clima saudáveis”, afirmou o primeiro-ministro da Dominica, Roosevelt Skerrit.

A cachalote (Physeter macrocephalus) é o maior mamífero com dentes do planeta. O macho pode alcançar até 20 metros de comprimento e pesar 45 toneladas.

Entre suas principais características está a enorme cabeça, que representa até 35% de seu corpo. O cérebro da cachalote é o maior em tamanho de um ser vivo.

Ela também é o único cetáceo vivo que possui um único orifício respiratório situado assimetricamente no lado esquerdo do topo da cabeça.

As cachalotes são animais extremamente sociáveis. Quando a fêmea tem seu filhote, os demais membros do grupo ficam por perto, para protegê-la.

A espécie se alimenta de polvos, lulas e peixes encontrados em regiões muito profundas dos oceanos. Por ter sofrido com a caça durante muitos séculos, as cachalotes são classificadas como “vulneráveis à extinção” pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Uma outra curiosidade dessas gigantes, que conseguem mergulhar a até 3 mil metros de profundidade, é que suas fezes estimulam o crescimento de plantas marinhas, o fitoplâncton, que absorvem gás carbônico durante a fotossíntese. E segundo os especialistas do Dominica Sperm Whale Project, naquela região do Caribe, não se sabe porquê, elas defecam em maiores quantidades. As hipóteses são que elas comem mais ali ou porque há algo de diferente nas lulas que consomem naquelas águas.

Cachalotes podem ser observadas em todos os oceanos. As principais ameaças à espécie nos dias atuais são a colisão com embarcações, o enredamento em apetrechos de pesca e a falta de alimentos. Estima-se que a população global seja de 800 mil indivíduos – no passado elas chegavam a 2 milhões.

Um grupo de cachalotes: a maioria deles é formado por fêmeas e seus filhotes
(Foto: NOAA Northeast Fisheries Science Center)

*Com informações adicionais do NOAA Fisheries, The Guardian e BBC Internacional

Leia também:
Pedra de âmbar-gris encontrada no intestino de baleia cachalote, que apareceu morta em praia da Espanha, pode valer R$ 2,6 milhões 
Grupo de 40 baleias cachalote é flagrado em registro raríssimo no litoral de São Paulo
Presença de baleias cachalotes no Ártico aumenta temor de cientistas sobre aquecimento dos oceanos

Foto de abertura: Gabriel Barathieu, CC BY-SA 2.0 via Wikimedia Commons

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE