Couro produzido a partir de chá fermentado pode revolucionar a moda

sapatos-couro-sintetico-cha-fermentado

Roupas, malas, sapatos e diversos acessórios agora podem imitar couro a partir de um novo material, graças a pesquisadores da Iowa State University, nos Estados Unidos. Quase idêntico ao couro no visual e no tato, este produto sintético é produzido por meio da fermentação de chá.

A descoberta foi feita quando o time de pesquisadores da universidade, liderado pela professora Young-A Lee, estudava o subproduto de colônias de bactérias e levedura encontradas na kombucha – uma bebida feita a partir da fermentação de um chá rico em cafeína.

Trata-se de uma película de composto de fibra de celulose em forma de gel que, uma vez recolhida e seca, dá origem a um material muito similar ao couro. Como as fibras são totalmente biodegradáveis, os produtos produzidos a partir deste tipo de couro falso têm um ciclo de vida ainda mais sustentável.

roupa-couro-sintetico-cha-fermentado

Em condições controladas por laboratório, o material leva em torno de três a quatro semanas para se desenvolver. Apesar de não ser necessário tanto tempo para fabricar outros materiais de couro sintético, os pesquisadores acreditam que a espera para que o composto se desenvolva, seque e seja tratado vale a pena. Eles defendem que este tecido renovável produzido a partir da celulose pode representar um futuro alternativo e mais sustentável para a moda e para a humanidade como um todo.

“Para a maioria das pessoas, a moda é uma expressão efêmera de cultura, arte e tecnologia se manifestando em forma”, afirma Lee. “As empresas de moda produzem novos materiais e roupas, de estação em estação, de ano após ano, para corresponder às necessidades e desejos dos consumidores. Pense para onde esses artigos, eventualmente, irão. Eles ocuparão espaços subterrâneos enormes, como qualquer outro lixo.”

cha-fermentado-couro-sintetico

produto-couro-sintetico-cha-fermentado

tecido-couro-sintetico-cha-fermentado
Fotos: Divulgação

Marina Maciel

Jornalista, Marina escreve sobre meio ambiente para diversas publicações brasileiras desde 2011. Já colaborou para veículos como Superinteressante, Exame, VEJA, VEJA SP, M de Mulher, Casa Claudia, VIP, Cosmopolitan Brasil, Brasil Post, National Geographic Brasil, INFO e Planeta Sustentável.

15 comentários em “Couro produzido a partir de chá fermentado pode revolucionar a moda

  • 5 de maio de 2016 em 6:28 PM
    Permalink

    Minha amiga fazia isso com chá fermentado artesanalmente faz uns trinta e cinco anos…………ela não sabia,mas estava a frente do seu tempo !

    Resposta
  • 6 de maio de 2016 em 10:28 AM
    Permalink

    Muito legal o produto e boa a matéria! :) Pra mim, a principal vantagem é a de mostrar que não precisamos (não devemos, na verdade) sacrificar animais com o fim de se ter produtos de moda também! Quem sabe, um dia olhemos pra trás e vejamos o quão cruel (pra usar um termo leve) éramos ao apoiarmos a exploração animal com esse ou qquer fim!

    Resposta
  • 7 de maio de 2016 em 2:28 PM
    Permalink

    Tenho uma dúvida, este material tem a mesma isolação térmica que o couro (invernos rigorosos)? E o tempo de desgaste é equivalente? Se sim, é realmente maravilhoso.

    Resposta
  • 17 de maio de 2016 em 9:22 PM
    Permalink

    Boa noite Marina, esse tipo de material já se encontra à venda??? Se sim você pode me indicar algum fornecedor? Trabalho com joias em prata e gostaria de fazer umas experiências. Tenho clientes me pedindo trabalhos em couro. Sou vegetariano à séculos e evito ao máximo trabalhar com matéria prima animal, mas tenho que atende-los.

    Resposta
    • 25 de maio de 2016 em 5:16 AM
      Permalink

      Oi Gabriela, tudo bem?
      Obrigada pelo contato. Que bacana o trabalho de vocês. Será que você pode enviar mais informações para o email – contato@conexaoplaneta.com.br
      Abraço,
      Suzana

      Resposta
    • 15 de maio de 2017 em 5:20 PM
      Permalink

      Boa tarde Gabriela, vc teria algum email ou numero de contato dessa empresa?

      Resposta

Deixe uma resposta