Costureiras da comunidade de Heliópolis, em São Paulo, produzirão 3 mil máscaras caseiras por dia

Costureiras da comunidade de Heliópolis, em São Paulo, fazem mutirão para produzir 3 mil máscaras caseiras por dia

Especialistas de saúde temem que comunidades carentes sejam mais afetadas pela epidemia do novo coronavírus. Vivendo em casas pequenas, com muitos familiares, onde o distanciamento social é praticamente impossível, e tendo dificuldades ao acesso de água e saneamento, os moradores dessa região correm um risco maior de contrair o COVID-19.

Diante da recomendação do Ministério da Saúde sobre a importância do uso de máscaras caseiras, a Associação dos Moradores de Heliópolis e Região (UNAS) decidiu se unir ao projeto “Heróis Usam Máscaras”.

Localizado no distrito de Sacomã, na zona Sul da capital paulista, Heliópolis possui mais de 100 mil habitantes e é considerada a maior favela da cidade.

Em um trailer especial, montado como linha de produção para a costura, as profissionais do bairro estão confeccionando as máscaras de proteção contra o coronavírus.

As máscaras serão distribuídas às equipes que estão trabalhando na linha de frente das doações de alimentos, aos agentes comunitários de saúde e também, aos moradores da comunidade.

Doações em meio à pandemia

Um dos benefícios da iniciativa realizada em Heliópolis é que a confecção das máscaras ajuda na geração de renda para as famílias das costureiras participantes. Cada profissional irá receber cerca de 100 reais por dia.

O projeto, que tem parceria de várias entidades, como o Instituto BEI, o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza e os bancos Itaú, Santander e Bradesco, conta com 64 costureiras, algumas trabalhando de casa.

A expectativa é que sejam produzidas cerca de 3 mil máscaras por dia, que começarão a ser distribuídas a partir da segunda, dia 13 de abril.

A Associação dos Moradores de Heliópolis também está fazendo a doação de cestas com itens de alimentação e higiene, além de um livro de colorir e lápis de cor para as crianças que estão em casa. O material é entregue para famílias em situação de vulnerabilidade, já atendidas pelos projetos sociais da UNAS.

Costureiras da comunidade de Heliópolis, em São Paulo, fazem mutirão para produzir 3 mil máscaras caseiras por dia

Outra ação da associação é a oferta de marmitas diárias para idosos, que fazem parte do grupo de risco para contrair a doença, e por isso, devem ficar em casa. Como muitos moram sozinhos, a equipe da UNAS garante que eles estejam se alimentando da maneira correta.

O impacto do coronavírus sobre a renda familiar

Segundo pesquisa feita pelo Observatório De Olho na Quebrada, 68% das famílias de Heliópolis já tiveram perdas no rendimento mensal desde a adoção das medidas de isolamento. Destas, 19% afirmam não contar com mais nenhuma renda (leia levantamento completo aqui).

Costureiras da comunidade de Heliópolis, em São Paulo, fazem mutirão para produzir 3 mil máscaras caseiras por dia

Pessoas interessadas em ajudar o trabalho da Associação dos Moradores de Heliópolis podem fazer doação de dinheiro – qualquer valor – neste link.

Leia também:
Estudante desenvolve máscaras de proteção caseiras para pessoas surdas e com deficiência auditiva
Costureiras das Escolas de Samba do Rio estão confeccionando máscaras e aventais para profissionais de saúde
#Masks4All: na República Tcheca, movimento incentiva produção e uso de máscaras de proteção caseiras e combate ineficácia do governo
Universidade paraense e o Projeto Saúde e Alegria fabricam máscaras e óculos com impressora 3D para profissionais de saúde de Santarém
Universidades de todo país estão produzindo máscaras e viseiras em impressoras 3D para ajudar profissionais de saúde

Foto: Douglas Cavalcante/ Unas Heliópolis e reprodução Facebook UNAS

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta