Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado

Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado

O mico-leão-dourado é um dos símbolos da luta contra a extinção de espécies nativas do Brasil. Graças aos esforços de algumas entidades, o número de indivíduos fora de cativeiro aumentou muito nas últimas décadas.

A Associação Mico-Leão-Dourado trabalha desde 1992 para aumentar a população de micos. Segundo a entidade, na década de 70 eles foram praticamente extintos pelo tráfico de animais silvestres e pelo desmatamento. Restavam apenas 200 na natureza.

Hoje, a associação estima que sejam aproximadamente 2,5 mil animais* vivendo em áreas de Mata Atlântica, sobretudo entre os municípios de Rio Bonito, Silva Jardim e Casimiro de Abreu, única região do mundo onde se encontra a espécie.

Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado

Endêmico do Rio de Janeiro, o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) tem uma pelagem que varia entre tons de vermelho e dourado. Apesar de pequeno, mede em média 60 cm de altura, precisa de bastante espaço. Sociável e muito dócil, vive em grupos, que contam com oito a 14 indivíduos, aproximadamente.

Mas um problema enfrentado pela atual população de mico-leão-dourado no estado do Rio é que eles estão em áreas de florestas fragmentadas.

“Nós temos alguns grandes blocos de floresta que precisam se conectar. Para que possamos dizer um dia que o mico-leão-dourado está a salvo da extinção, é necessário que a população da espécie tenha cerca de 2 mil indivíduos e esteja em uma área 25 mil hectares de florestas protegidas e conectadas”, explica Luís Paulo Ferraz, secretário executivo da associação.

Modelo de preservação para outras rodovias do país

Nos últimos seis anos, a Associação do Mico-Leão-Dourado trabalhou arduamente, inclusive com uma ação civil pública, aceita pela justiça, para que um conjunto de estruturas de passagem de fauna fossem construídas ao longo da BR-101, no Rio de Janeiro, região onde ficam áreas de preservação que são habitat da espécie.

As chamadas passagem de fauna são estruturas como viadutos, passarelas e túneis subterrâneos que permitem aos animais atravessar a rodovia, com segurança, de um lado para outro da mata.

Quando foi feito o projeto de duplicação da BR-101, no trecho que liga a cidade de Niterói até Campos dos Goytacazes, fazendo divisa com o estado do Espírito Santo, um dos condicionantes ambientais para sua realização era justamente a instalação dessas estruturas.

Agora, finalmente, elas começam a ficar prontas. Pela extensão de proximadamente 80 km da estrada, foram colocados 15 túneis subterrâneos, passagens de copa (passarela que liga copas de árvores, conforme imagem abaixo) e viadutos – o primeiro deles já está praticamente pronto, o segundo será viabilizado após a concessionária, a Autopista Fluminense, se certificar da eficiência do projeto.

Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado

Os túneis subterrâneos são importantes para a travessia de outros animais (não são usados pelos micos), como cotias, capivaras, lagartos, tatus, tamanduás e onças.

Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado

Já o viaduto, o primeiro vegetado do Brasil em rodovias federais, receberá o plantio de mudas de árvores e vegetação para que os micos o ‘vejam’ como uma passagem natural da floresta.

O viaduto ligará duas regiões muito importantes para a espécie: a Reserva Biológica Poço das Antas e a Área de Proteção Ambiental Bacia do Rio São João/Mico-Leão-Dourado.

Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado

Toda essa estrutura não garantirá apenas a segurança da travessia, mas a perpetuação das próximas gerações da Leontopithecus rosalia.

Se as diferentes famílias de micos não se encontram para o processo de cruzamento e reprodução, há um enfraquecimento genético da espécie. Com o passar do tempo, o acasalamento entre indivíduos da mesma família causa danos ao sistema imune dos animais.

A expectativa é que o novo corredor florestal se torne modelo para outras rodovias do país e assim, o impacto dessas estradas sobre a vida selvagem seja reduzido.

Só no Brasil, segundo o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE), a cada segundo, 15 animais são atropelados ao tentar cruzar estradas e rodovias. Por dia, o número chega a quase 1,3 milhão. E por ano, o resultado final, fica próximo de 475 milhões.

Assista abaixo ao vídeo produzido pela Associação Mico-leão-dourado sobre a construção dos novos corredores florestais:

———————————————————————————

*De acordo com a Associação Mico-Leão-Dourado, a população da espécie chegou a ter mais de 3 mil indivíduos, mas em 2019, muitos morreram por causa da febre amarela, por isso houve uma redução nesse número. Todavia, vale ressaltar, que o mico não transmite a doença para os seres humanos, mas é um importante indicador da presença do mosquito e dos vírus nesses ambientes.

Leia também:
O mico-leão-dourado enfrenta uma nova ameaça: a febre amarela
Mico-leão-dourado: um história de sucesso nos 25 anos de conservação da espécie

Maior viaduto do mundo para travessia de animais será construído em estrada de Los Angeles
Pará ganha primeiro viaduto para travessia de animais do Brasil

Fotos: cedidas gentilmente pelo fotógrafo Luís Palácios e divulgação Associação Mico-Leão-Dourado

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta