Como ajudar as vítimas (pessoas e animais) das cidades atingidas pelas fortes chuvas e inundações no sul da Bahia

Publicado às 19h; atualizado às 21h

Já são 136 municípios em ‘situação de emergência‘ devido às fortes chuvas e inundações no sul da Bahia.

Depois das primeiras tempestades, ocorridas na primeira semana de dezembro, e uma trégua, as chuvas voltaram à mesma região dando sequência a um fenômeno climático extremo, como atestam especialistas. Sim, os impactos resultantes das alterações do clima no planeta estão cada vez frequentes, também no Brasil.

Mudanças na temperatura das águas do Oceano Pacifico provocadas pelo La Niñafenômeno oceânico-atmosférico que resfria, de forma anormal, as águas superficiais desse oceano –, combinadas a mudanças na temperatura das águas do Atlântico e a interferência de outros fenômenos climáticos, provocaram chuvas torrenciais como nunca tinham sido vistas na região.

Até agora, foram registrados 20 mortos, 358 feridos e 34.163 pessoas desabrigadas e 42.929 desalojadas (tiveram que abandonar seus imóveis, mas não necessitam de abrigo). Essas informações foram divulgadas pela Superintendência de Proteção e Defesa Civil, em 27/12, que ainda indica que mais de 470 mil pessoas foram atingidas por essa tragédia.

Foto: Camila Souza/GOVBA para Fotos Públicas

Sem falar dos animais impactados pelas chuvas e pela violência das águas: mortos, feridos e perdidos, tanto domésticos, como de criações (gado, como você pode ver no vídeo no final deste post) e selvagens. O GRAD – Grupo de Resgate de Animais em Desastres é uma das organizações que destaco neste post, é especializada nesse tipo de socorro.

Incansável – como deve ser! – o governador, Rui Costa, tem feito o que está a seu alcance para atender os necessitados e manter os dados atualizados. Sem qualquer apoio do governo federal, que, até agora, tem ignorado esta crise humanitária sem precedentes no estado.

Num sinal claro de desprezo pela dor alheia, Bolsonaro passa férias em Santa Catarina e declara sua tranqüilidade nas redes sociais, sem qualquer pudor, atitude muito bem traduzida pelo ilustrador Nando Motta, nas redes sociais. Acompanhe seu Instagram.

“Enquanto várias cidades da Bahia sofrem com as chuvas e enchentes, o presidente vai de férias (?) pra Santa Catarina” / Ilustração: Nando Motta

Com tantas provas de sua total falta de empatia e de tanta irresponsabilidade no cargo que ocupa, esperamos que não só os baianos, mas todos os brasileiros se conscientizem e se lembrem da indiferença do presidente – e de todos os políticos que, neste momento tão difícil, também se calam – na frente da urna eleitoral, em 2022.

Como doar

A corrente de solidariedade pela Bahia é grande. Além das organizações que atuam contra a fome e a miséria e se engajaram rapidamente para arrecadar recursos e ajudar a amenizar a dor das vítimas desta tragédia, personalidades – cantores, artistas, músicos, influencers -, instituições públicas e privadas também se mobilizam.

Diversas prefeituras criaram campanhas de arrecadação para ajudar seus moradores e estão divulgando informações nas redes sociais (no final deste post, indico o link da lista que o site G1 organizou, indicando postos de arrecadação de cada cidade, além de instituições e outros locais).

Aqui, destaco o Corpo de Bombeiros e duas organizações que atendem pessoas, a Ação da Cidadania, e animais, o GRAD, Grupo de Resgate de Animais em Desastres.

CORPO DE BOMBEIROS

Todas as unidades do Corpo de Bombeiros, no estado, estão recebendo donativosalimentos, água, itens de higiene, cobertores, colchões, roupas e móveis -, mas alerta que não faz campanhas para arrecadar dinheiro, de nenhuma forma (veja imagem abaixo).

ABRACE A BAHIA, COM A CUFA

Em suas redes sociais, os cantores baixos Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Maria Antunes, Luan Santana e Léo Santana têm conclamado os brasileiros a contribuirem com a campanha Abrace a Bahia promovida pela CUFA – Central Única das Favelas, com o apoio da Frente Nacional Antifascista (FNA) e duas grandes emissoras de TV.

As doações podem ser feitas pelo site Mães da Favela ou pelo PIX abraceabahia@cufa.org.br e serão revertidas em alimentos, água, itens de higiene, entre outros produtos.

AÇÃO PELA CIDADANIA

A ONG Ação da Cidadania realiza a conhecida campanha Natal Sem Fome, idealizada e lançada pelo sociólogo Betinho em 1993 e finalizada em 2007, mas que voltou ao país em 2017, com Temer, quando começamos a voltar ao Mapa da Fome, da ONU.

Esta é a segunda campanha de arrecadação que lança para ajudar as vítimas das chuvas na Bahia. Já distribuiu 200 toneladas de alimentos, 50 mil litros de águas, roupas e colchões. Veja as informações abaixo e na imagem a seguir, que você pode compartilhar em suas redes sociais.

As doações em dinheiro podem ser feitas pelo site Natal Sem Fome, por PIX 003460760001-73 ou transferência bancária para Banco do Brasil, agência 1211-4, conta corrente 500.537-x ou Itaú, agência 0417, conta corrente 65638-6.

GRUPO DE RESGATE A ANIMAIS EM DESASTRES

É bem possível que você já tenha ouvido falar desta organização incrível, que resgata e cuida de animais em tragédias pelo país. Em seu perfil no Instagram é possível ter a dimensão da importância do trabalho que seus 60 membros desenvolvem. Todos voluntários!

O GRAD é formado por médicos veterinários, biólogos, oceanógrafos, analistas de sistemas, administradores, zootecnistas, bombeiros civis, acadêmicos de medicina veterinária e auxiliares de várias partes do Brasil, que já salvaram milhares de animais da lama tóxica da Vale em Brumadinho e Mariana, em Minas Gerais, dos incêndios no Pantanal e do incêndio do Parque do Juquery, em São Paulo.

Também ajudaram a resgatar e salvar os casos mais graves entre as mais de mil búfalas de Brotas, no interior de São Paulo, abandonadas à morte por um fazendeiro, que está foragido, e que estão sendo alimentadas e cuidadas por um grupo de voluntários, entre eles o diretor e amigos da ONG ARA (veja as reportagens que publicamos a respeito desta tragédia e do movimento que se formou por elas).

O GRAD esteve presente nas primeiras enchentes no sul da Bahia, no início de dezembro, quando atenderam mais de mil animais.

“Com o coração cheio de gratidão e sensação de dever cumprido finalizamos mais uma operação. Tudo isso só é possível graças a cada um de vocês que colaboram com nosso trabalho. Juntos conseguimos levar conforto as famílias atingidas e dignidade aos animais vitimados”, diz o último post dessa jornada no sul da Bahia, que durou 13 dias.

“Milhares de animais devidamente assistidos, sempre com o olhar voltado aos preceitos da saúde única – prezando o meio ambiente, a saúde animal e a saúde humana. Gratidão nos define”, finaliza o grupo. Assista a um dos vídeos publicados há uma semana, em que a doutora veterinária Cássia Sassi explica um dos trabalhos realizados. Foi com a imagem abaixo que eles encerraram sua primeira ação na Bahia.

Agora, devido às novas tempestades e inundações, os voluntários do GRAD voltaram à região para atender outros animais. E é bom lembrar que eles só podem realizar este trabalho lindo porque recebem doações frequentes. Sem elas, seria impossível. Por isso, não deixe de colaborar. Qualquer quantia é bem vinda e faz a diferença.

Anote o PIX – 04.085.146.0001/38 e compartilhe a imagem abaixo em suas redes sociais.

Ontem, Eduardo Lyra, idealizador e diretor da ONG GERANDO FALCÕES, por exemplo, declarou, em seu Instagram: “A Bahia já ajudou muito o Brasil. Agora, o Brasil deve ajudar a Bahia. A ‘Gerando Falcões’ vai enviar, esta semana, 700 mil reais para apoiar as famílias desabrigadas. Ninguém solta a mão de ninguém”.

Agora, consulte a lista do G1, que indica postos de arrecadação organizados pelas prefeituras e instituições públicas e privadas, como OAB – Organização dos Advogados do Brasil, além de pontos na capital e outras cidades, pedágios e shoppings.

A seguir, assista ao vídeo da Ação da Cidadania sobre a campanha pela Bahia, à gravação de um morador de Itabuna – divulgado pela Mídia Ninja -, que mostra a cidade submersa, e ao vídeo publicado pelo GRAD, em que se vê animais são arrastados pelas enchentes. Desesperador!

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.