Com desafio de caminhar pelo quintal, inglês de 99 anos arrecada mais de R$ 220 milhões para doar ao sistema público de saúde

Com desafio de caminhar pelo quintal, inglês de 99 anos arrecada mais de R$ 60 milhões para doar ao sistema público de saúde

*Atualizado em 20/05/20

Essa é uma daquelas histórias com a qual dificilmente a gente não se emociona. O senhorzinho da foto acima é o inglês Tom Moore. Ele tem 99 anos e foi capitão do exército britânico.

Diante da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus e o impacto dela sobre o sistema público de saúde de seu país, o NHS, o militar aposentado se propôs a um desafio: usando seu andador, dar dez voltas por dia, em seu quintal, até completar 100, no total, exatamente no dia em que comemora seus 100 anos. E com isso, ele busca sensibilizar as pessoas a doar dinheiro para os profissionais de saúde.

E ele conseguiu seu objetivo. E com um resultado extraordinário! No dia 10 de abril, sua meta inicial era arrecadar £1 mil, cerca de R$ 6,5 mil, o que aconteceu em apenas 24 horas.

Com a ajuda de sua filha e genro, que criaram a página de doação na internet, Moore decidiu então aumentar a meta para £250 mil e dias depois, para £500 mil. Todavia, para a surpresa do aposentado, seu desafio fez com que, até este momento, 1,5 milhão de pessoas doassem £32 milhões, mais de R$ 220 milhões. E o movimento tem sido tão grande no site do desafio que, por muitas vezes, ele tem ficado instável.

O dinheiro será entregue à organização NHS Charities Together, que irá investir os recursos na construção de salas de descanso e recuperação para médicos e enfermeiros dos hospitais e postos de atendimento de saúde da Inglaterra, e também, na compra dispositivos eletrônicos para permitir que os pacientes, em tratamento do COVID-19, mantenham contato com entes queridos e ainda, na ajuda a grupos comunitários que apoiam os pacientes depois que eles recebem alta hospitalar.

“Quando você pensa em para quem é tudo isso – todos aqueles bravos e super médicos e enfermeiros que temos – acho que eles merecem cada centavo e espero que consigamos mais”, diz o inglês, que sabe da importância do NHS porque já passou por um tratamento de câncer e de um quadril quebrado.

“Capitão Tom”, como é conhecido carinhosamente, é um veterano de guerra. Formado em Engenharia Civil, trabalhou com treinamento de oficiais, em 1940. Depois disso, esteve na Índia e em Sumatra.

“De certa maneira, é como estivéssemos em meio a uma guerra atualmente. E os profissionais de saúde é que estão na linha de frente dessa batalha e nós, na retaguarda, precisamos apoiá-los, como pudermos, para que eles possam fazer seu trabalho de maneira ainda melhor”, ressalta Moore.

Capitão Tom afirmou que não vai mais parar quando completar as 100 voltas. Caminhará mais 100.

Alguém duvida da disposição desse senhor, que está emocionando o mundo?

—————————————————————————————-

*Texto alterado para atualizar o valor arrecadado pelo desafio do “Capitão Tom” e para informar que o Capitão Tom Morre recebeu da Rainha da Inglaterra, no começo de maio, o título de Cavaleiro, e agora passará a ser chamado de “Sir”.

Leia também:
Costureiras da comunidade de Heliópolis, em São Paulo, produzirão 3 mil máscaras caseiras por dia
Estudante desenvolve máscaras de proteção caseiras para pessoas surdas e com deficiência auditiva
Grandes nomes da música mundial farão megashow pela internet para arrecadar fundos de combate ao coronavírus
Cantores do mundo inteiro fazem shows gratuitos e online para levar alegria às pessoas durante a quarentena do coronavírus

Foto: reprodução Twitter Tom Moore e vídeo BBC

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta