Colômbia, Panamá, Equador e Costa Rica se unem para criar um gigante corredor de proteção marinha no Pacífico

Colômbia, Panamá, Equador e Costa Rica se unem para criar uma gigante reserva de proteção marinha no Pacífico

Um dia após o Equador anunciar a ampliação da área de proteção de Galápagos na Conferência das Nações Unidas para o Clima, a COP26, quatro países das América Latina e Central voltam a dar mostrar seu empenho na proteção da biodiversidade do planeta. Colômbia, Panamá, Costa Rica e novamente, o Equador, revelaram que irão unir suas reservas marinhas no Oceano Pacífico em um grande corredor de preservação, uma área com mais de 500 mil km2 de extensão, que se tornará um dos maiores e mais ricos habitats dos oceanos.

O “Corredor Marino del Pacífico Este Tropical” incluirá o Parque Nacional de Gorgona e o Santuario de flora y fauna de Malpelo, na Colômbia; la isla de Coco, na Costa Rica; Galápagos no Ecuador e a a Isla de Coiba, no Panamá.

“Aqui não estamos falando apenas de território, estamos falando de uma das regiões mais ricas do mundo em biodiversidade”, ressaltou Iván Duque, presidente da Colômbia, que liderou a iniciativa. O país também ampliou sua própria área de proteção com mais 40 mil km2.

Segundo o texto da declaração conjunta, o modelo incluirá medidas nacionais, nos respectivos territórios, que serão complementadas por esforços regionais, entre os quais se destaca o início de um processo que visa a criação da Reserva da Biosfera Marinha. Entre as ações está impedir a exploração pesqueira por embarcações internacionais, como os navios de pesca chineses próximos a Galápagos (leia mais aqui).

“Da América Latina, quatro países se tornaram ainda mais irmãos para enviar uma mensagem clara ao mundo de que devemos avançar nas ações para proteger o nosso planeta e, neste caso, os oceanos. É vital ter oceanos saudáveis ​​para proteger centenas de espécies marinhas importantes para os ecossistemas e para as pessoas de nossa região”, afirmou Carlos Alvarado, presidente da Costa Rica.

Esse corredor marinho é um corredor migratório importantíssimo para muitas espécies, entre elas, tartarugas marinhas, baleias, tubarões, atuns e raias.

Nos últimos anos, vários estudos científicos apontaram que as Ilhas do Cocos, Galápagos, Malpelo e Coiba constituem um ecossistema único e interconectado no Pacífico e que suas águas funcionam como corredores biológicos.

*Com informações dos sites Swissinfo e The Guardian

Leia também:
Com ajuda de fundo de U$ 19 bilhões, mais de 100 países se comprometem a acabar com o desmatamento até 2030
“Os povos indígenas estão na linha de frente da emergência climática, por isso devem estar no centro das decisões, aqui”, declara a jovem Txai Suruí em forte discurso na COP26
“É assim que a nossa história vai acabar? A nossa motivação não deve ser o medo, mas a esperança”, diz David Attenborough a líderes mundiais

Foto: Sense Atelier on Unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta