Cientistas flagram botos “brincando” com uma sucuri em rio da Amazônia

Cientistas flagram botos "brincando" com uma sucuri em rio da Amazônia

Esta é uma cena por certo inusitada. Em agosto do ano passado pesquisadores faziam uma expedição para documentar a biodiversidade ao longo do rio Tijamuchi, na Amazônia Boliviana, quando se depararam com um grupo de botos-cor-de-rosa (Inia geoffrensis), que dificilmente são observados com suas cabeças fora da água. E para a surpresa dos cientistas, ao olhar as imagens com mais cuidado, eles perceberam que os animais estavam “brincando” com uma sucuri (Eunectes beniensis).

O flagrante inusitado resultou num artigo científico na publicação internacional Ecology, que tem como seu autor principal o pesquisador brasileiro Omar Entiauspe Neto, do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Para a equipe da expedição, parecia claro que os cerca de seis botos estavam brincando com a serpente e não tentando comê-la. E como ela permanecia imóvel, acredita-se que já estava morta. O comportamento brincalhão de cetáceos é bastante registrado na ciência.

Todavia, no artigo os autores discutem outras possibilidades, como a própria predação da sucuri ou ainda um comportamento relacionado com a interação social e sexual entre os indivíduos do grupo, já que foi observada a excitação de um dos adultos. Poderia ser também uma lição dos mais velhos aos mais jovens.

“Havia botos juvenis na cena e parecia que os adultos estavam exibindo a cobra para eles”, relatam os autores do artigo.

A sucuri-da-bolívia é um predador de topo de cadeia e pode atingir até 4 metros de comprimento e pesar 50 kg. É uma espécie que se alimenta de peixes, aves e pequenos roedores.  

Botos são golfinhos de ambientes fluviais, não ocorrendo em ambientes marinhos. Chamados também de botos-vermelhos, os indivíduos encontrados na Bolívia seriam uma subespécie da família Iniidae. A região da Floresta Amazônica é habitat de duas espécies destes mamíferos aquáticos: o Inia geoffrensis e o tucuxi (Sotalia fluviatilis), ambos considerados em risco de extinção.

Leia também:
Comportamento agressivo de botos machos contra filhotes na Amazônia intriga biólogos
Boto-tucuxi, natural da Amazônia, é incluído na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN
Último boto do rio Mekong, no Camboja, morre com uma rede de pesca presa na cauda
Biólogo gaúcho recebe maior prêmio mundial de conservação por projeto de proteção à espécie de botos, em risco de extinção
Boto-cinza é agora patrimônio natural e símbolo do município de Cananéia, no litoral de São Paulo

Foto: Omar M. Entiauspe Neto, Steffen Reichle, Alejandro dos Rios

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta