Cientistas fazem registro espetacular de uma enorme água-viva-fantasma, com mais de 1 metro de diâmetro

Há pouquíssimo tempo a equipe do Monterey Bay Aquarium Research Institute (MBARI), da Califórnia, nos Estados Unidos, já tinha divulgado o avistamento de uma criatura rara: uma espécie de peixe com cabeça transparente e olhos que rodam para cima e para baixo. O registro foi feito por um robô subaquático, localizado a mais de 600 metros de profundidade, em um dos canyons da Baía de Monterey, um dos mais profundos na costa do Pacífico. Pois não foi apenas esse peixe bizarro que os pesquisadores tiveram a sorte de encontrar, mas também, de uma gigantesca e impressionante água-viva-fantasma.

Em formato de sino, a água-viva da espécie Stygiomedusa gigantea tem quatro braços orais (ou boca), que são longas fitas que podem crescer até mais de 10 metros de comprimento. Ela vive em grandes profundidades dos oceanos, onde não há luz, a mais de 2 mil metros abaixo da superfície do mar.

Cientistas fazem registro espetacular de uma enorme água-viva-fantasma, com mais de 1 metro de diâmetro

É de 1899 o primeiro registro dessa enorme criatura marinha. Mas foi apenas 60 depois que ela foi reconhecida como uma nova espécie. Todavia, como é dificílimo encontrá-la, muito pouco se sabe sobre esse animal. Acredita-se que se alimente de plânctons e pequenos peixes.

O que se tem certeza é que a água-viva-fantasma é um dos maiores predadores invertebrados dos oceanos. Para capturar suas presas, usa seus longos “braços”.

Leia também:
Nova espécie de ‘peixe demônio’ é descoberta nas bacias dos rios Tocantins e Paraná
Peixe-lua gigante, um dos maiores já vistos, surpreende atletas em Laguna Beach, Califórnia
Raríssimo polvo transparente é filmado nas profundezas de arquipélago distante na Austrália
Cientistas descobrem nova espécie de polvo dumbo e com tecnologia que permitiu devolvê-la ao mar

Fotos: © 2018 MBARI

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta