Cientistas desvendam mistério do cocô em forma de cubo de marsupial australiano

Cientistas desvandam mistério do "cocô quadrado" de marsupial australiano

A natureza certamente tem mistérios incríveis. E um deles acaba de ser desvendado por uma equipe de pesquisadores americanos e australianos. Eles conseguiram entender a razão pela qual o cocô do marsupial vombate (em inglês, wombat), é um cubo, algo incomum no mundo animal.

Até hoje ainda não se compreendia como esse marsupial da Austrália, o (Vombatus ursinus), produzia suas fezes em forma de cubo. Diariamente, ele expele cerca de 100 desses cocôs quadrados.

Em um artigo científico publicado recentemente, os cientistas do Georgia Institute of Technology, nos Estados Unidos, e da Taronga Conservation Society e University of Tasmania, na Austrália, revelam que, na verdade, o formato das fezes é definido ainda no intestino do animal, e não em sua saída, pelo ânus.

Em 2018, foram feitas as primeiras pesquisas sobre o tema. Naquele ano, um vombate foi atropelado e os cientistas dissecaram seu corpo. Ao examinar os intestinos, descobriram que eles continham duas ranhuras onde eles são mais elásticos.

De acordo com Scott Carver, ecologista de vida selvagem da Universidade da Tasmânia, foi possível perceber, por meio de uma combinação de testes de laboratório e modelos matemáticos, que existem duas regiões rígidas e duas mais flexíveis ao redor da circunferência do intestino desse marsupial. Além disso, a combinação de secagem das fezes no cólon e as contrações musculares acabam determinando o tamanho e os cantos regulares das mesmas.

Os intestinos do vombate têm aproximadamente 10 metros, ou seja, 10 vezes o comprimento do corpo do animal.

“Eles colocam essas fezes em pontos proeminentes em sua área de vida, como ao redor de uma pedra ou um tronco, para se comunicarem entre si. Nossa pesquisa descobriu que esses cubos são formados nos últimos 17% do cólon do intestino”, explica Carver.

Cientistas desvandam mistério do cocô em forma de cubo do marsupial australiano

Os cocôs geométricos do marsupial

Ainda segundo o especialista, o processo digestivo do marsupial australiano é bem mais lento do que o dos seres humanos e suas fezes mais secas.

“Agora entendemos como esses cubos são formados, mas ainda há muito a ser compreendido sobre o comportamento do vombate para entender completamente porque eles evoluíram para produzir fezes geométricas em primeiro lugar”, diz.

Cientistas desvandam mistério do cocô em forma de cubo do marsupial australiano

Os wombates são nativos da Austrália. Tem pernas curtas e medem cerca de 1 metro e podem pesar até 35 kg. Vivem em média 15 anos na natureza e 20 anos em cativeiro. Herbívoros, possuem hábitos noturnos e durante o dia, ficam em suas tocas.

São três espécies existentes no continente: o Vombatus ursinus, Lasiorhinus latifrons e Lasiorhinus krefftii, este último é considerado criticamente ameaçado de extinção. Restam apenas alguns indivíduos no Epping Forest National Park, em Queensland.

*Com informações da University of Tasmania

Leia também:
Usando drones e análises de cocôs, Austrália fará censo nacional para contar população de coalas
Nome de nova espécie de marsupial homenageia Marina Silva
Duas novas espécies de marsupiais são descritas na Austrália
Diabo-da-tasmânia é reintroduzido na Austrália continental após 3 mil anos

Fotos: Laura Barry on unsplash (vombate), YANG ET AL. 2021 (cocô) e divulgação University of Tasmania (vários cocôs)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta