Cerrado Vivo: novo portal multimídia traz informações e histórias sobre este bioma tão importante para o clima do país

Cerrado Vivo: novo portal multimídia traz informações e histórias sobre este bioma tão importante para o clima do país

Ocupando quase 25% do território brasileiro, o Cerrado é o segundo maior bioma do país e um dos mais ameaçados. Chamado de berço das águas, nele estão a bacia hidrográfica do rio São Francisco e três aquíferos – Guarani, Bambuí e Urucaia. Essa savana, considerada a mais biodiversa do mundo, concentra 5% das espécies do planeta e conta com a presença de comunidades tradicionais, que através de ativistas extrativistas, mas sustentáveis e sem impacto ambiental, são exemplo para o mundo.

E agora os brasileiros – e estrangeiros -, ganham uma nova ferramenta multimídia para conhecer mais o Cerrado. Foi lançado o portal Cerrado Vivo, uma iniciativa do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN).

Através de um acervo inédito de fotografias e os infográficos, o site mostra as riquezas naturais do bioma, assim como suas principais ameaças, entre elas, a expansão da atividade agropecuária.

O Cerrado Vivo conta ainda histórias de vidas de defensoras climáticas, como Dona Lúcia, geraizeira e raizeira, conhecida como a guardiã desse grande mar de água doce.

Cerrado Vivo: novo portal multimídia traz informações e histórias sobre este bioma tão importante para o clima do país

As mulheres Kalunga, habitantes do maior território quilombola do Brasil, localizado no noroeste de Goiás, também são destaque do projeto. “Os povos e comunidades tradicionais são os grandes responsáveis pela conservação desse bioma em pé”, afirma Isabel Figueiredo, coordenadora do Programa Cerrado e Caatinga do ISPN. “Nossa savana é amplamente povoada por pessoas que usam os recursos naturais de forma sustentável, garantem segurança alimentar, abastecem as cidades e geram renda, em uma relação harmônica com o meio ambiente”, acrescenta.

Ao longo dos próximos meses, o portal será atualizado com novas histórias, fotos, materiais gráficos e audiovisuais.

Cerrado Vivo: novo portal multimídia traz informações e histórias sobre este bioma tão importante para o clima do país

O Cerrado em números

  • 2º maior bioma da América Latina, ocupando área total de mais de 2 milhões km², uma área maior do que França, Portugal, Espanha e Itália juntos;
  • Cerca de 13,7 bilhões de toneladas de carbono são estocadas no Cerrado;
  • Savana mais biodiversa do mundo;
  • 5% da biodiversidade do planeta, sendo que metade é endêmica, ou seja, só é encontrada ali e em nenhum outro lugar do planeta;
  • Faz fronteira com todos os demais biomas brasileiros, exceto os Pampas;
  • Corresponde a 24% do território brasileiro;
  • Presente em onze estados e três países (Brasil, Paraguai e Bolívia);
  • Mais de 4 mil espécies endêmicas de plantas;
  • Das 12 bacias hidrográficas mais importantes do país, 8 nascem no Cerrado; 
  • O número de comunidades tradicionais é, no mínimo, três vezes maior do que os dados oficiais registram;
  • 5% de seu território é ocupado por povos indígenas – são 95 terras indígenas e 44 territórios quilombolas homologados;
  • São aproximadamente de 199 espécies de mamíferos, 837 espécies de aves, 120 répteis, 150 anfíbios e 1.200 peixes.
Cerrado Vivo: novo portal multimídia traz informações e histórias sobre este bioma tão importante para o clima do país

Leia também:
Guia de bolso apresenta a beleza e a diversidade das aves do Cerrado
Cerrado ganha plataforma com dados sobre uso do solo, desmatamento, biodiversidade e socioeconomia
Restaura Cerrado: cientistas, coletores de sementes e voluntários se unem para recuperar a savana mais biodiversa do mundo
A sobrevivência dos grandes mamíferos do Cerrado sob ameaça
Cerrado ganha nova unidade de conservação: o Parque Estadual Águas do Paraíso, na Chapada dos Veadeiros

Fotos: Acervo ISPN/André Dib e Bento Viana

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta