Cargueiro encalhado nas Ilhas Maurício, no Oceano Índico, se parte e pode agravar desastre ecológico

Em 25 de julho, um navio cargueiro japonês encalhou em um recife de coral das Ilhas Maurício, no Oceano Índico, o que preocupou as autoridades locais já que ele transportava 3,8 mil toneladas – 2.600 toneladas de óleo combustível e 200 toneladas de diesel – e a carcaça estava sensível.

Mas o empenho do capitão e da tripulação para remover a carga da embarcação não conseguiram evitar que, em 8/8, cerca de mil toneladas de óleo tingissem as águas cor de turquesa do mar que banha o arquipélago, colocando a região em estado de emergência ambiental.

As condições do casco só pioraram. Na sexta, 14/8, mais óleo vazou para o oceano – ainda havia 166 toneladas dentro do navio – e, no sábado, 15/8, barreiras foram instaladas para ajudar na absorção do material ao seu redor.

No entanto, ele partiu, se dividiu, ameaçando ainda mais a região neste que já é o pior desastre ecológico do país, divulgou o Comitê Nacional de Crise das Ilhas Maurício, em nota.

“Por volta das 16h30, um grande descolamento da seção dianteira da embarcação foi observado. Com base na opinião dos especialistas, o plano de reboque está sendo implementado”.

O comitê ainda acrescentou que os trabalhos para conter e limpar o óleo no mar estão sendo concentrados em locais considerados mais sensíveis, como o Blue Bay Marine Park, a Ile aux Aigrettes e Pointe D’Esny National Ramsar.

As autoridades revelaram ainda que a previsão metereológica indica que o tempo deve piorar nos próximos dias, o que pode levar a ondas de até 4,5 metros (15 pés) e piorar mais a situação da embarcação e do vazamento.

Como estamos na pandemia, o impacto dos danos ambientais pode não ser percebido com tanto vigor, mas não há dúvida de que será grande e afetará consideravelmente a economia do país, que depende do turismo.

A IMO – International Maritime Organization e o United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (UN OCHA – Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, em tradução livre) se uniram para enviar um especialista que está assessorando o governo das Ilhas Maurício na mitigação dos impactos ao meio ambiente e às comunidades costeiras.

Fotos: Fotos Públicas/IMO (International Maritime Organization)

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta