Campanha pressiona Facebook a combater venda de animais silvestres em sua plataforma

Campanha pressiona Facebook a combater venda de animais silvestres em sua plataforma

Não é preciso pesquisar muito. Em uma busca rápida pelo Facebook, é fácil encontrar “empresas” e pessoas oferecendo animais silvestres para venda. Muitos falam em “doações”, mas fica claro que se trata de comercialização. E não é só. É possível achar ainda ofertas de barbatanas de tubarão e marfim.

Para pressionar o Facebook a combater e banir de vez esse comércio ilegal e vergonhoso em sua plataforma, a Avaaz, comunidade de mobilização online, criou uma petição online, endereçada à companhia, pedindo uma ação urgente.

“Restam apenas 7 mil chitas na natureza — e mais de 4 mil foram vendidas no Facebook na última década! E isso é só o começo. Filhotes de tigre, macacos, ursos e pássaros extremamente ameaçados estão à venda. Junto com uma enorme quantidade ilegal de marfim, escamas de pangolins e partes de animais abatidos. Parece um novo Mercado Livre clandestino para a venda de animais silvestres, e os vendedores estão provocando um massacre horroroso!”, diz o texto da iniciativa.

A campanha, que até este momento já tem mais de 300 mil assinaturas, ressalta que é preciso tornar público essa permissividade do Facebook em relação à venda de animais online.

“Exigimos que façam tudo o que puderem para acabar com o enorme comércio ilegal de vida selvagem em suas plataformas. Os esforços devem incluir restringir resultados de busca suspeitos, expandir a moderação para identificar vendas ilícitas e cooperar com pesquisadores e com marcos legais para garantir que os traficantes de animais silvestres sejam julgados. Legisladores, pedimos urgentemente por uma legislação eficiente contra estes crimes”, acrescenta o texto da petição.

Então, se engaje também nesta luta. Assine aqui a petição e compartilhe com o maior número de pessoas possível!

Página no Facebook oferecendo araras para “adoção”

O Conexão Planeta enviou um e-mail à assessoria do Facebook Brasil pedindo uma declaração sobre o assunto. Recebemos a seguinte nota de resposta:

“Nossas políticas não permitem conteúdo sobre compra, venda, comércio, doação ou oferta de espécies em vida selvagem e removemos tais conteúdos quando tomamos conhecimento deles em nossa plataforma. Estamos sempre trabalhando para melhorar e cooperamos com autoridades locais nessa área”.

————————————————————————————————————

*Atualizado às 23h20 para incluir a resposta da Meta, empresa controladora do Facebook.

Leia também:
Projeto de lei, que libera a caça esportiva, coloca em risco diversas espécies de animais silvestres como macacos e onças
Traficante internacional de animais silvestres, preso em junho no Brasil, é condenado a 11 anos de prisão
Tráfico de animais silvestres aumenta ameaça de novas pandemias e expansão para comércio digital impõe risco ainda maior à humanidade

Fotos: domínio público/pixabay (abertura) e reprodução Facebook (post com araras para “adoção)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta