Camas de papelão, medalhas, tocha e pódios de lixo reciclado e veículos elétricos: os destaques verdes das Olimpíadas de Tóquio

Camas de papelão, medalhas, tocha e pódios de lixo reciclado e veículos elétricos: os destaques verdes das Olimpíadas de Tóquio

As Olimpíadas de Tóquio, no Japão, não saíram exatamente como foram planejadas. A pandemia da Covid-19 fez com que os jogos fossem cancelados no ano passado e agora, em 2021, serão realizados, mas sem a presença do público e com muitas restrições e precauções para evitar que um maior número de pessoas seja contaminado pela doença (o Comitê Olímpico fez um acordo com a Pfizer para garantir a vacinação dos atletas). Todavia, uma das principais preocupações dos organizadores originalmente é que o evento fosse o máximo possível sustentável e deixasse um legado de boas práticas “verdes” ao mundo.

Como antecipamos nesta outra reportagem já em 2018, as medalhas das Olímpiadas foram feitas com celulares e e-lixo reciclados. Utilizados como componentes na fabricação de eletrônicos, ouro, prata e cobre foram recuperados durante o processo de reciclagem.

Camas de papelão, medalhas, tocha e pódios de lixo reciclado e veículos elétricos: os destaques verdes das Olimpíadas de Tóquio

A medalha de ouro dos Jogos Olímpicos 2020

Os pódios, em que os atletas vencedores receberão as medalhas, foram confeccionados com plástico reciclado, doado pela população e também, retirado dos oceanos. Após as Olimpíadas, a ideia é que sejam utilizados como material educativo ou reciclados novamente por uma das patrocinadoras do evento, a multinacional Procter & Gamble.

Um dos destaques do desafio verde dos japoneses foram as camas dos atletas. Elas foram feitas com papelão. Isso mesmo, papelão! E são super resistentes. Aguentam até 200 kg. E serão recicladas após o término das competições.

A tocha olímpica também é fruto de reciclagem. Foi produzida a partir de resíduos de alumínio de casas temporárias construídas após o terremoto e o tsunami de 2011. Ah, e os uniformes dos voluntários e pessoal envolvidos no evento foram feitos de poliéster originário de garrafas recicladas.

Camas de papelão, medalhas, tocha e pódios de lixo reciclado e veículos elétricos: os destaques verdes das Olimpíadas de Tóquio

A tocha é de alumínio reciclado

Toda a eletricidade dos locais onde serão realizadas as provas e também, na Vila Olímpica, será proveniente de fontes limpas e renováveis: hidrelétrica, solar e biomassa. Já o transporte de equipamentos pesados ficará a cargo de veículos com emissão zero de carbono, incluindo autônomos a bateria e empilhadeiras movidas a hidrogênio. Enquanto isso, os atletas utilizarão ônibus elétricos para ir da vila até os lugares das provas.

Camas de papelão, medalhas, tocha e pódios de lixo reciclado e veículos elétricos: os destaques verdes das Olimpíadas de Tóquio

Ônibus elétricos autônomos transportarão os atletas entre as instalações

Todo o esforço dos organizadores das Olimpíadas de Tóquio é para que esses sejam os jogos com o menor nível de emissões de gases de efeito estufa dos últimos anos. Em 2016, nos Jogos do Rio de Janeiro, estima-se que tenham sido emitidos 4,5 milhões de toneladas de CO2. Em Londres, em 2012, foram 3,3 milhões de toneladas.

Agora é ver pra crer! Vamos aguardar os resultados verdes de Tóquio!

*Com informações do site do World Economic Forum

Leia também:
Lego apresenta protótipo de primeiras peças feitas com plástico reciclado de garrafas PET
Alemanha proíbe a venda de plásticos descartáveis como canudos, cotonetes, talheres, pratos e copos
Após sacolas, Nova Zelândia anuncia proibição de mais produtos descartáveis plásticos e isopor
‘Mount Recyclemore’: escultura feita com 12 toneladas de lixo eletrônico ‘homenageia’ líderes do G7

Fotos: divulgação Jogos Olímpicos e Toyota (ônibus elétrico)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta