PUBLICIDADE

Calor extremo causa dano ao DNA de filhotes de pássaros, fazendo com que procriem menos e envelheçam e morram mais cedo

Calor extremo causa dano ao DNA de filhotes de pássaros, fazendo com que procriem menos e  envelheçam e morram mais cedo, revela estudo inédito

Muito já tem se falado sobre o impacto dos chamados extremos climáticos – furacões, secas extremas, enchentes ou ondas de frio intensas -, ao meio ambiente, a fauna e a flora. Vários incidentes já foram registrados associando o óbito de mamíferos e pássaros com altas temperaturas, como por exemplo, a morte de centenas de milhares de aves migratórias por causa dos incêndios na costa oeste dos Estados Unidos em 2020.

Mas um novo estudo alerta que, mesmo aqueles que sobrevivem ao calor atípico e o clima muito seco podem ser afetados, especialmente, filhotes em ninhos nos primeiros dias de vida. E as consequências serão percebidas na vida adulta.

Em artigo científico divulgado na publicação Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), cientistas da Monash University, na Austrália, detalham um estudo feito com uma espécie específica de pássaros, o Malurus coronatus, endêmica do país. Eles descobriram que a combinação de condições climáticas quentes e secas está relacionada ao encurtamento de uma região do DNA conhecida como telômero, que funciona para manter a integridade dos cromossomos. Quando eles se tornam muito curtos para fazer seu trabalho, eles aceleram o processo de envelhecimento.

“Nosso estudo de longo prazo acompanhou as aves desde a eclosão e observou tudo o que pudemos sobre seu comportamento reprodutivo até a morte. O comprimento dos telômeros dos filhotes é um biomarcador da expectativa de vida e do número de descendentes que eles têm ao longo da vida”, explica Anne Peters, uma das co-autoras do artigo.

Calor extremo causa dano ao DNA de filhotes de pássaros, fazendo com que procriem menos e  envelheçam e morram mais cedo, revela estudo inédito

Um exemplar do Malurus coronatus
(Foto: Graham Winterflood/Creative Commons/Flickr)

Belíssimo, o macho da espécie Malurus coronatus possui um rabo com penas azuis e a cabeça em tons de lilás. Mas a ave já está ameaçada de extinção e teme-se que o impacto provocado pelo aquecimento global torne ela ainda mais vulnerável.

“Notamos que, mesmo sob cenários de aquecimento climático relativamente amenos, os efeitos não letais apenas no comprimento dos telômeros dos filhotes podem resultar em declínio populacional”, diz Justin Eastwood, principal autor do artigo. “Mas, em contraste, a matemática também mostrou que a reprodução em condições mais úmidas ou a evolução de telômeros mais longos poderia mitigar o efeito”.

Leia também:
Aves estão sofrendo com insolação e morrendo devido ao calor excruciante na Índia
Quase 50% de todas as espécies de aves do mundo apresentam declínio em suas populações
Aves da Amazônia estão ficando mais leves e com asas mais longas por causa da crise climática
Declínio de aves em áreas intocadas da Floresta Amazônica surpreende cientistas

Após séculos de suspeitas, estudo inédito confirma: os pássaros nos trópicos são mais coloridos

Foto de abertura: WA Department of Environment and Conservation

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE