Califórnia estuda instalação de painéis solares sobre canais para evitar evaporação de água

Califórnia estuda instalação de painéis solares sobre canais para evitar aquecimento e evaporação de água

A Califórnia é um dos estados americanos que mais tem sofrido com os efeitos da crise climática. Ao longo dos últimos anos tem registrado incêndios florestais históricos. A seca afeta também um setor importantíssimo da economia, o agrícola. A região é grande produtora de uvas, morangos, tomates e diversos tipos de nozes, dentre outros alimentos. Todavia, durante os períodos de muito calor, uma grande quantidade da água de canais de distribuição acaba evaporando.

Inspirados por um caso de sucesso da Índia, uma equipe da Universidade da Califórnia Santa Cruz, em colaboração com cientistas de outros institutos de pesquisa, projetou os benefícios gerados pela instalação de painéis solares sobre canais de água.

A análise feita pelos pesquisadores revela que cobrir a rede de 6.350 km de canais públicos de distribuição de água da Califórnia com painéis solares é um meio economicamente viável de promover a energia renovável e a conservação da água.

O estudo apontou que ao reduzir a evaporação nesses canais, a cobertura de painéis solares pode gerar uma economia de 238 milhões de litros de água por ano e ao mesmo tempo, fornecer aproximadamente 13 gigawatts de energia renovável para o estado. A economia de água seria comparável à quantidade necessária para irrigar cerca de 50 mil acres de terras agrícolas ou atender às necessidades residenciais de água de mais de 2 milhões de pessoas, enquanto a eletricidade gerada seria equivalente a cerca de um sexto da capacidade instalada atual do estado.

Vale lembrar que o governo da Califórnia possui uma meta de ter 50% de sua eletricidade originária de fontes renováveis até 2030.

“Este estudo é um passo muito importante para incentivar investimentos para produzir energia renovável e, ao mesmo tempo, economizar água”, diz Roger Bales, professor de engenharia da Universidade da Califórnia (UC Merced) e um dos co-autores do artigo “Energy and water co-benefits from covering canals with solar panels, publicado na revista Nature Sustainability.

Os pesquisadores ressaltam que o uso de painéis solares sobre canais pode trazer outras vantagens, como por exemplo, ajudar a controlar o crescimento de algas, um problema que traz custos extras para a manutenção desses cursos d’água.

“Os aquadutos são as artérias do nosso desenvolvimento econômico e social e têm capturado a imaginação do público há séculos. Uma parte significativa da conta de eletricidade da Califórnia vem da movimentação, tratamento e aquecimento de água, portanto, eficiência hídrica também é eficiência energética. Precisamos encontrar todas as maneiras possíveis de usar a água de maneira mais eficiente, incluindo a redução da perda por evaporação, à medida que também aumentamos a energia limpa para atender às necessidades do século desafiador que está por vir, com as mudanças climáticas”, destaca Felicia Marcus, ex-presidente do Conselho Estadual de Águas.

Em abril, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou um plano de reduzir em 50% as emissões do país até 2030, o dobro daquele determinado por Barack Obama, quando foi finalizado o Acordo de Paris, em 2015. Para isso, será feito um forte investimento justamente em fontes renováveis e na economia verde.

*Com informações da Universidade da Califórnia Santa Cruz e Solar Grid

Leia também:
Califórnia terá primeiro complexo eólico em sua costa, com capacidade para suprir energia a 1,6 milhão de casas
Com design inspirado na natureza, nova sede da Amazon terá 100% da energia originária de usina solar
França quer oferecer dinheiro pra quem trocar o carro velhaco por uma bicicleta elétrica
Paraná gera mais que o dobro de energia que consome, mas projetos hidrelétricos de enorme impacto ambiental continuam a ser aprovados

Imagem: @2021 Solar Aqua Grid

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta