Cães chegam a Miami para servir como apoio emocional a equipes de resgate e sobreviventes de prédio que desabou

Cães chegam a Miami para servir como apoio emocional a equipes de resgate e sobreviventes de prédio que desabou

Já chega quase a 100 o número de vítimas confirmadas após a queda de uma das torres do condomínio Champlain Towers South, em Surfside, no condado de Dade, em Miami, nos Estados Unidos. Esta manhã, as equipes confirmaram o resgate do corpo da 94a pessoa. Outras 22 ainda devem estar sob os escombros do prédio, mas ainda não se sabe exatamente o total exato de mortos.

Há três semanas, o edifício de 12 andares desabou durante a madrugada. A maioria das vítimas estava dormindo. Desde então, centenas de bombeiros e equipes de resgate especializadas, incluindo profissionais de Israel e do México, têm trabalhado sem parar para tentar achar algum sobrevivente e também, para recuperar os corpos. Infelizmente, neste estágio, o reconhecimento de muitas vítimas só é feito através de exames de DNA.

E tanto para os sobreviventes, que esperam com ansiedade alguma notícia sobre parentes ou mesmo, que vivenciaram essa tragédia, assim como os profissionais de resgate, o estresse emocional é enorme. Psicólogos acreditam que muitos deles irão sofrer com o transtorno de estresse póstraumático.

Para ajudar nesse processo, nove cães da raça golden retriever foram enviados para Miami para servir de apoio emocional aos integrantes da equipe de resgate e das famílias sobreviventes. Mais poderão ser enviados em breve dependendo da necessidade sentida no local.

Os animais fazem parte de um programa da Lutheran Church Charities – K-9 Comfort Dog Ministry, que treina esses cães e os envia em missões especiais. No passado, eles já ficaram com famílias vítimas de tiroteios nos Estados Unidos, como o que ocorreu na escola de Parkland, na Flórida, ou em Las Vegas, assim como sobreviventes de furacões.

Dois golden retrievers no memorial erguido pelas vítimas da escola de Parkland

No total, a organização tem mais de 130 golden retrievers, espalhados em diversos estados. O treinamento com os animais é feito para que eles acalmem as pessoas e assim possam aliviar os sintomas de angústia, ansiedade, depressão e perda.

“Esses cães estão aqui para você. Muitas vezes os profissionais de resgate os encontram, os abraçam e começam a chorar ou sorriem. Tentamos não dizer nada, deixamos o cachorro ser a ponte para que essas pessoas sofram a perda, seja o que for que estejam sentindo”, disse Bonnie Fear, da Lutheran Church Charities – K-9 Comfort Dog Ministry, em entrevista ao canal de notícia WPLG Local 10.

Cães enviados a Miami vieram de diversos estados

Leia também:
Aprovada lei que autoriza moradores de rua a levar animais de estimação para abrigos no Rio de Janeiro
Aprovada lei que permite visita de animais de estimação em hospitais do Rio de Janeiro

Nova lei libera embarque de pequenos animais em transporte público de São Paulo
Cachorros preferem carinho à comida, revela estudo da Universidade de Atlanta
Amigo não se compra, adota
Grande rede de pet shops anuncia que só terá cães e gatos para adoção. Não vai mais vendê-los!

Fotos: divulgação Lutheran Church Charities

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta