Cacau brasileiro é medalha de ouro e está entre os melhores do mundo em competição internacional

Cacau brasileiro é medalha de ouro e está entre os melhores do mundo em competição internacional

Não são apenas os personagens da regravação da novela Renascer, atualmente sendo transmitida pela Rede Globo, como o fazendeiro Zé Inocêncio, interpretado pelo ator Marcos Palmeira, que se orgulham do cacau produzido nas cabrucas baianas. Pois lotes de amêndoas produzidas em dois estados do Brasil, Bahia e Pará, acabam de ser premiados e ficarem entre as melhores do mundo no Cacao of Excellence, competição internacional do setor, realizada esta semana em Amsterdã, na Holanda.

A premiação é dividida por continentes e na América do Sul, os cacaus cultivados nas fazendas Fazenda São Sebastião, em Ilhéus, e Sítio Bela Vista, em Medicilândia, no sudoeste do Pará, receberam medalha de ouro. Amêndoas produzidas no Sítio Ascurra, também em Medicilândia, conquistaram a medalha de prata.

O Cacao of Excellence, uma iniciativa da organização Alliance of Bioversity International e a International Center for Tropical Agriculture (CIAT), analisa não apenas a qualidade e o sabor das amêndoas de cacau, mas também a sustentabilidade e as boas práticas envolvidas no processo de cultivo.

“Esses prêmios são uma celebração do trabalho árduo, da experiência e do compromisso dos produtores em elevar a qualidade e a sustentabilidade do cacau. Este reconhecimento não só homenageia os produtores, mas também sublinha a importância mais ampla do seu papel na definição do futuro do setor do cacau”, destacou Juan Lucas Restrepo, diretor geral da Alliance of Bioversity International e CIAT.

Nesta edição da competição foram submetidas 222 amostras de amêndoas de cacau do mundo inteiro. Elas são então processadas em licor e em chocolate amargo, seguindo uma receita padrão, e analisadas sensorialmente às cegas pelo júri.

O medalhista de ouro, Luciano Ramos de Lima, que produz em sua fazenda de Ilhéus, no sul da Bahia, já já tinha ganhado o segundo lugar na 4ª edição do Concurso Nacional de Qualidade de Cacau, em 2022, com a amêndoa varietal BN 34.

Jás os produtores do cacau do Pará são Míriam Federicci Vieira, do Sítio Bela Vista, e Robson Brogni, do Sítio Ascurra.

Cacau brasileiro é medalha de ouro e está entre os melhores do mundo em competição internacional

Os vencedores da América do Sul no Cacao of Excellence
(Foto: Shawn Landersz/CoEx)

Leia também:
Ilhéus, na Bahia, ganha primeira fábrica de chocolates da economia solidária
Cacauaré: quatro mulheres estruturam a cadeia do cacau de várzea em Mocajuba, no Pará
Antioxidante e anti-inflamatório, mel do cacau pode virar matéria-prima para cosméticos e medicamentos
Agricultora do Pará é premiada em concurso de qualidade de cacau especial e projeta sua cidade, Medicilândia, no país

Foto de abertura: LaBarr Chocolate de Origem, produzido com amêndoas premiadas de Robson Brogni

Deixe uma resposta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.