Brasil ganha “Centro de Sobrevivência de Espécies”, um polo de conservação para animais e plantas nativas do país

Brasil ganha "Centro de Sobrevivência de Espécies", polo de conservação para aves da Mata Atlântica em risco de extinção

Segundo a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), que avalia as condições de sobrevivência de milhares de animais e plantas no planeta, em julho de 2020, entre 120 mil espécies analisadas, mais de 30 mil estavam ameaçadas de extinção. Desse total, quase 7 mil são classificadas como ‘criticamente em perigo’ ou ‘criticamente ameaçadas’, isso significa que elas estão a um passo de desaparecer da natureza.

Para evitar que mais espécies da fauna e da flora deixem de existir em nosso país, será inaugurado amanhã (18/03), em Foz do Iguaçu, no Paraná, o Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil. O polo de conservação é uma parceria entre a Comissão de Sobrevivência de Espécies e o Grupo Especialista em Planejamento de Conservação, ambos da UICN, e o Parque das Aves, onde ficará sediado o centro.

“Hoje em dia, existem muitas ferramentas para prevenir a extinção de espécies. Conservação funciona. No entanto, precisamos trabalhar cada vez mais juntos, conectando cientistas e dados de todos os países, capacitando profissionais nas metodologias efetivas desenvolvidas globalmente, e juntar profissionais e projetos para criar planos estratégicos para salvar espécies”, afirma Carmel Croukamp, CEO do Parque das Aves.

O Brasil será o quarto país do mundo a ter um Centro de Sobrevivência de Espécies da UICN. Outros já existem nos Estados Unidos, Reino Unido e Portugal. Em Foz do Iguaçu, haverá também estratégias de integracão com trabalhos de preservação da flora brasileira.

Depois das Cataratas do Iguaçu, o Parque das Aves é uma das principais atrações turísticas da região oeste paranaense. Antes da pandemia, o local recebia aproximadamente 800 mil visitantes por ano para observar seus 1.300 pássaros, de cerca de 150 espécies diferentes. O parque abriga aves resgatadas e também desenvolve programas de reprodução em cativeiro, com parceiros, como é o caso da jacutinga, a ave que aparece na imagem de abertura deste texto.

Brasil ganha "Centro de Sobrevivência de Espécies", polo de conservação para aves da Mata Atlântica em risco de extinção

O guará-vermelho, também conhecido popularmente como ibis-escarlate, guará-rubro,
guará-piranga ou garça-vermelha

Os bons resultados da conservação

Em setembro do ano passado, um estudo feito por uma equipe de pesquisadores internacionais, liderada por cientistas da Universidade de Newcastle e da BirdLife International, no Reino Unido, revelou que cerca de 48 espécies de mamíferos e aves foram salvas da extinção graças a esforços de conservação, entre elas, algumas brasileiras.

O levantamento global demonstrou que ações, como a proteção de habitats, reintrodução de espécies e programas de reprodução em cativeiro em zoológicos e refúgios, têm sido importantíssimos para evitar o desaparecimento de animais.

Entre as espécies citadas pelos cientistas que deixaram de ser extintas estão o lince-ibérico, o condor da Califórnia, o porco-pigmeu da Índia, o cavalo-de-przewalski da Mongólia, o papagaio amazônico de Porto Rico e as brasileiras choquinha-de-alagoas, ararinha-azul e mutum-de-alagoas.

As 32 espécies de aves cuja extinção foi evitada entre 1993 e 2020 vivem em 25 países, incluindo seis na Nova Zelândia, cinco no Brasil e três no México.

Brasil ganha "Centro de Sobrevivência de Espécies", polo de conservação para aves da Mata Atlântica em risco de extinção

O mutum-de-penacho, uma das muitas e belíssimas espécies de aves encontradas no Brasil

Agora, com o novo centro a ser inaugurado em Foz do Iguaçu, mais espécies poderão ser protegidas e assim, continuar a habitar nossas florestas e matas, e ter sua sobrevivência garantida para que as próximas gerações de brasileiros possam conviver harmonicamente com elas.

Brasil ganha "Centro de Sobrevivência de Espécies", polo de conservação para aves da Mata Atlântica em risco de extinção

O araponga macho tem o corpo todo branco, com exceção de partes da cabeça e garganta,
com tons esverdeados

Leia também:
Gravadores ajudam a registrar presença de aves e anfíbios em área de reflorestamento da Mata Atlântica
Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais
Monitoramento na Mata Atlântica ajudará pesquisa e preservação de espécies em risco de extinção

Fotos: divulgação Parque das Aves

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta