Biólogos celebram localização de novo habitat de tartarugas-verdes no Rio de Janeiro

Uma ótima notícia para celebrar este Dia Mundial dos Oceanos: pesquisadores do Projeto Ilhas do Rio conduzido pelo Instituto Mar Adentro afirmaram que o Monumento Natural das Ilhas Cagarras é um novo habitat de tartarugas-verdes (Chelonia mydas).

Em menos de um ano de estudo*, entre agosto de 2020 a abril de 2021, a equipe do projeto já identificou e catalogou 28 indivíduos – juvenis em busca de descanso e alimentação.

“As Ilhas Cagarras, em especial a Ilha Comprida, têm demonstrado ser um local atrativo e favorável para as tartarugas-verdes. Por ser uma espécie em risco de extinção globalmente é fundamental a proteção do habitat utilizado pelos juvenis para a manutenção da população a longo prazo. A população do Atlântico Sul, recentemente, saiu do status de ameaçada, mas ainda permanece dependente de conservação. Por isso, esta descoberta renova as esperanças da espécie e reforça a importância da preservação das Ilhas Cagarras”, diz Suzana Guimarães, coordenadora da Pesquisa de Tartarugas do Projeto Ilhas do Rio.

De acordo com os pesquisadores, a concentração de tartarugas-verdes pode estar associada às boas condições da região, que possui costões rochosos e pedras que podem servir como locais de descanso. Nas ilhas há ainda diversas espécies de algas, corais, esponjas e outros invertebrados e espécies de peixes que servem como alimentos para a Chelonia mydas.

Biólogos celebram localização de novo habitat de tartarugas-verdes no Rio de Janeiro

Durante o trabalho de campo, a equipe do Ilhas do Rio faz mergulhos na região e nesses momentos, além da identificação das tartarugas, também analisa dados como comportamento e estimativa de peso dos animais, assimo como a presença de alguma anomalia corporal.

Biólogos celebram localização de novo habitat de tartarugas-verdes no Rio de Janeiro

No final de abril, o Monumento Natural das Ilhas Cagarras foi reconhecido internacionalmente como um santuário da biodiversidade. Por causa de toda sua importância ambiental e cultural, as ilhas e as águas em seu entorno receberam o selo “Hope Spot” da aliança global Mission Blue, já concedido a outros 130 lugares do mundo, entre eles, as Ilhas Galápagos, no Equador, e a Grande Barreira de Corais, na Austrália.

O Monumento Natural das Ilhas Cagarras é a primeira Unidade de Conservação Marinha de Proteção Integral da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de estar localizado a apenas 5 km da praia de Ipanema, ou seja, tão próximo do centro urbano, o local é um importante corredor migratório de baleias e habitat de centenas de espécies marinhas raras, endêmicas e também, em risco em extinção. Já foram registradas ali mais de 600 espécies de animais e plantas. E se não bastasse tudo isso, ainda abriga um sítio arqueológico tupiguarani.

*O estudo em andamento do Projeto Ilhas do Rio tem a curadoria técnica do WWF-Brasil e patrocínio da Associação IEP e JGP

Leia também:
Após dois meses de tratamento, tartaruga resgatada próximo às Ilhas Cagarras, no Rio de Janeiro, volta ao mar

Cientistas usam drones para fazer contagem em maior berçário de tartarugas-verdes do mundo, na Grande Barreira de Corais
Mais de 100 mil filhotes de tartarugas-da-amazônia nascem em 2020, número recorde observado em Tocantins

Fotos: Caio Salles

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta