Bióloga e ativista da ‘EJF Foundation’ faz apelo emocionado pelo Pantanal na Comissão de Direitos Humanos do Senado

No norte e no sul, o Pantanal está queimando. Mais uma vez. Em quase 50 dias, cerca de um milhão de hectares já foram destruídos pelo fogo, o que representa o triplo do que foi queimado no ano passado.

Esta semana, vídeo divulgado por organizações pantaneiras, que mostra labaredas altas consumindo a vegetação e pintando o céu noturno de vermelho (foto acima), viralizou nas redes sociais, também em nossos perfis. Por isso, todo apelo pela proteção do bioma é precioso.

Foi o que fez a bióloga Luciana Leite, ativista de Biodiversidade e Clima da Environmental Justice Foundation (EJF), no Senado, ao participar de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos, no Congresso Nacional em Brasília, ao falar da tragédia que assola o Pantanal.

Luciana Leite ao lado do senador Paulo Paim, na Comissão de Direitos Humanos do Senado / Foto: Gabriel Adami/SOS Pantanal

Ela comentou sobre a gravidade dos efeitos das mudanças climáticas e também da degradação ambiental devido ao desmatamento e ao fogo, por vezes criminoso – e da violação dos direitos humanoscomo escravidão e migração forçada – ambas praticadas de forma constante no bioma, com consequências devastadoras.

Falou em nome dos pantaneiros, dos agentes do Ibama, bombeiros e brigadistas voluntários – entre elas, seu marido – que lutam contra o fogo, dos ambientalistas que não medem esforços para driblar a destruição do bioma – como moradores de comunidades tradicionais como as indígenas e donos de pousadas -, dos fazendeiros conservacionistas e, também, dos veterinários e demais profissionais que ajudam a salvar os animais que sobrevivem.

Onça-pintada caminha por área queimada no Parque Estadual Encontro das Águas / Foto: reprodução de vídeo

“Em 2020 vivenciamos a perda de quase 30% do bioma, que sucumbiu às chamas, emitindo cerca de 115 milhões de toneladas de CO2 e resultando na morte por queimaduras e sufocamento de aproximadamente 17 milhões de vertebrados silvestres, apenas na área da planície”, destacou.

“Precisamos apoiar os produtores responsáveis e punir aqueles que ainda violam os direitos humanos e as leis ambientais. Proteger o Pantanal significa salvaguardar a sua biodiversidade e apoiar os direitos humanos”, finalizou a ativista.

Vegetação destruída, com impactos devastadores também na fauna do bioma / Foto: reprodução de vídeo

A seguir, assista a um trecho da fala de Luciana Leite no vídeo produzido com imagens da TV Senado e do pantaneiro Ailton Lara, guia turístico, ambientalista e dono de pousada no Pantanal.

Foto (destaque): montagem com reproduções de vídeo

Deixe uma resposta

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.