Biden reverte planos da era Trump de exploração de gás e petróleo em reserva de vida selvagem no Ártico

Biden reverte planos da era Trump de exploração de gás e petróleo em em reserva de vida selvagem no Ártico

Como contei aqui no passado, o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estava com tudo pronto para permitir exploração de petróleo e gás no Alaska, mais especificamente, no Arctic National Wildlife Refuge, uma área de mais de 7 milhões de hectares, protegida há 60 anos, no Ártico. Na época, segundo comunicado do Departamento de Estado americano, até o final de 2020 deveriam ser realizados os primeiros leilões para exploração e perfuração na região.

Felizmente, Trump perdeu as eleições e assim que assumiu o governo, Joe Biden decretou uma moratória, logo em seu primeiro dia na Casa Branca, para a concessão de qualquer tipo de licença para a exploração de petróleo e gás no Arctic National Wildlife Refuge.

E na semana passada, Biden anunciou a suspensão a abertura de novas licitações para exploração petrolífera naquela área.

“Apoiamos fortemente o compromisso da administração de Biden com a preservação do Arctic National Wildlife Refuge, uma das últimas grandes extensões de áreas selvagens intocadas na América. Todavia, ainda há mais a ser feito. Até que as licenças sejam canceladas, elas permanecerão uma ameaça. Agora esperamos que o governo e o Congresso priorizem legislativamente revogar o mandato de arrendamento de petróleo e restaurar as proteções à planície costeira do Refúgio Ártico”, ressaltou y Kristen Miller, diretora executiva da Alaska Wilderness League.

A organização foi uma das muitas entidades que abriram um processo contra o governo de Donald Trump em agosto do ano passado tentando impedir várias medidas do ex-presidente contra a proteção do meio ambiente e da vida selvagem.

O refúgio natural do Alaska é habitat de lobosursos polares e de caribus (renas), assim como importante rota migratória de diversas espécies. Além disso, é considerado terra sagrada para as etnias indígenas Gwich’in e Iñupiat.

O Ártico é uma das regiões do planeta que mais tem sofrido com as alterações no clima. Em alguns anos recentes o continente já apresentou temperatura entre 20oC e 30oC acima do normal.

Como já explicamos nesta outra reportagem, o fato é que o Ártico está perdendo a capacidade de reter suas massas de ar frias. O anel de ventos gelados que contorna o Polo Norte e aprisiona o ar frio em altas altitudes, chamado vórtice polar, vem perdendo a força e deixando escapar parte do frio para regiões de clima temperado.

Biden reverte planos da era Trump de exploração de gás e petróleo em em reserva de vida selvagem no Ártico

Um caribu no Arctic National Wildlife Refuge

Leia também:
Mais de 200 renas morrem de fome em ilha no ártico norueguês devido ao aquecimento global
Ursos polares famintos invadem vilarejo em arquipélago na Rússia

Biden anuncia meta de reduzir em 50% emissões dos Estados Unidos até 2030
Quais são os compromissos do recém-eleito presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para o combate à crise climática

Foto: A. Zuelke/USFWS (abertura) e D. Brigida (caribu) 

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta