Banksy grafita ratos e frases alusivas à pandemia em metrô de Londres

Os fãs de Banksy ficaram em polvorosa quando assistiram ao vídeo que registra sua nova intervenção – ‘If you don’t mask – you don’t get’, desta vez, no metrô de Londres. Isso se deve ao fato de que, sempre muito discreto, com o rosto coberto, não revela sua identidade.

No registro do novo trabalho (que você pode ver no final deste post), ele aparece de costas e quase mostra o rosto, mas não foi desta vez que a gente o conheceu.

O artista anda sempre muito protegido por causa do uso das tintas durante os grafites, que podem atingir seu rosto. Agora, devido à pandemia, caprichou um pouco mais, então, ia ser impossível identificá-lo assim.

A princípio, Banksy parecia ser um dos funcionários que pulverizam e higienizam os vagões do metrô, todos os dias. E, por isso, chegou a confundir os usuários. Afinal, ele estava ali para limpar ou para sujar as paredes dos vagões?

O artista grafitou ratos em movimento – que são sua marca registrada – espirrando ou usando máscara de proteção (errado), além de mensagem referente à pandemia como ‘I get lockdow…. but I get up again’, que aparece no final do vídeo acompanhada da música Tubthumping da banda inglesa Chumbawamba.

Banksy é um ícone artístico da cidade e, em geral, com sua arte engajada o que ele quer, mesmo, é provocar as pessoas à reflexão. Neste caso, vai ser no metrô.

Ratos no banheiro

Os fãs de Banksy sabem que os ratos são muito comuns em sua obra. Durante a quarentena, confinado em casa, ele resolveu fazer uma intervenção no banheiro. E claro que escolheu os ratos para a arte que era fruto do isolamento.

Ele publicou o resultado em seu Instagram, em abril, e declarou: “Minha esposa odeia quando eu trabalho de casa”. Ah, dá pra entender porquê, veja abaixo.

Agora, assista ao vídeo sobre a nova intervenção de Banksy no metrô de Londres:

View this post on Instagram

. . If you don’t mask – you don’t get.

A post shared by Banksy (@banksy) on

Fotos: Reproduções do vídeo (vagões) e do Instagram (banheiro)

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta