Hidrelétrica no rio Arinos, no norte do Mato Grosso, pode significar a destruição de uma cultura única, do povo Rikbatksa

A possibilidade de construção da Usina Hidrelétrica Castanheira deve destruir não só o curso d’água. Pode extinguir o molusco tutãra e a cultura milenar do povo Rikbatksa, que produz colares com suas conchas. Pode assassinar a tradição, o saber ancestral, oral, puro, singular

Ler mais

Por que proteger os manguezais é proteger a nós mesmos?

Um berçário da vida! O encontro entre o mar e a terra, refúgio e abrigo para milhares de espécies, imensa é sua importância para o equilíbrio do planeta. A mistura de solo encharcado, de plantas únicas e de animais espetaculares ainda tem papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas e na proteção de zonas costeiras, além de assegurar a subsistência de milhões de pessoas

Ler mais

Novos ventos sopram no caminho da arara-azul-de-lear, e eles não são necessariamente bons

A espécie já esteve criticamente ameaçada de extinção, mas começa a dar voos mais altos graças a projetos de conservação que a acompanham bem de perto. Mas a lista de ameaças não para de crescer, como o complexo eólico em Canudos, na Bahia, que pode abalar sua já fragilizada luta pela sobrevivência

Ler mais

O que resta da Amazônia depende de cada um de nós. E nós, dependemos dela

Quem vê a ligação íntima dos povos indígenas com a natureza, quem ouve as lições ancestrais de como viver sem arrancar do meio ambiente mais do que ele pode nos oferecer, aprende que viver é deixar viver. A Amazônia é um exemplo de que a solidariedade é o alimento da longevidade. O avançar é coletivo. Ouçamos a voz da floresta, esse grito desesperado por socorro, antes que sua voz se cale pra sempre

Ler mais

O mico-leão dourado e sua juba brilhante: a insistência em sobreviver na Mata Atlântica

Das quatro espécies de mico-leão encontradas nesse bioma, esta é a mais famosa e habita as florestas da baixada costeira do estado do Rio de Janeiro. Seu pelo reluzente em meio à paisagem faz deles presas chamativas para gaviões, cobras e felinos. Mas a maior ameaça é, mesmo, o ser humano

Ler mais

Das belezas do sertão: Barriguda, o Baobá brasileiro

Ela exibe sua majestade no Brasil e em nenhum outro lugar do mundo. Rara, resiste às secas mais inclementes, dando grandes lições de#resiliência, mas pode sucumbir às mudanças climáticas, com a Caatinga

Ler mais

A lição de quem conserva o que resta de verde no Mato Grosso

O estado que ostentou as árvores retorcidas do Cerrado, a exuberância da Amazônia e a explosão de vida do Pantanal, hoje exibe trechos de 70 a 80 kms sem uma árvore sequer. Tudo engolido pela soja ou pelo algodão. E Seu Lídio, pajé nambikwara, nos lembra: “Soja tem semente. Algodão tem semente, milho tem semente. Água não tem semente. Quando ela acabar não será possível plantar mais. Vai acabar para branco, para negro, para indígena também”

Ler mais

Farinha e prosa com Dona Arlete, às margens do Rio Negro: “Me sinto tão feliz! Queria viver muito mais do que já vivi”

Dona Maria Arlete Garrido Costa vive uma vida que nem cabe em livro. Ela nasceu em uma aldeia Baré, na região de Santa Izabel, no Amazonas. A vida e as águas do Rio Negro a levaram a cruzar o estado todo, a colecionar memórias e histórias da floresta

Ler mais

Fernanda Abra e a luta contra os atropelamentos da fauna silvestre

Para encontrar saídas para as espécies que sofrem com a falta de habitat, a bióloga especialista em ‘ecologia das estradas’ cruza o Brasil e o mundo. É autora de um estudo inédito que visa criar ações que evitem atropelamentos, até mesmo em terras indígenas, como a Waimiri Atroari, em Roraima

Ler mais

Marcelino Apurinã, o plantador de florestas

Num canto do Brasil onde desmatar virou palavra de ordem, ‘seu Marcelino’ conjuga diariamente o verbo semear. Disposto a ser semente de novas florestas ele planta tucumã, castanheira, andiroba no meio da mata na Terra Indígena Caititu, no município de Lábrea, sul do Amazonas

Ler mais