Austrália muda frase no hino nacional para reparar injustiça histórica com aborígenes

Austrália muda frase no hino nacional para reparar injustiça histórica com aborígenes

Historiadores acreditam que há cerca de 60 mil anos os primeiros seres humanos chegaram ao continente australiano. Quando os exploradores europeus chegaram naquelas terras distantes entre os oceanos Pacífico e Índico, povos aborígenes já ocupavam a Austrália. Mesmo assim, quando os ingleses tomaram posse do território, a partir de 1788, eles declararam que ali era uma “terra nullius”, um termo legal que reivindicava que a terra (Austrália) não pertencia a ninguém.

Quase um século depois, o hino nacional do país foi tocado pela primeira vez em 1878, e agora, 143 anos mais tarde, uma frase dele será mudada para fazer uma reparação histórica, pelo menos na letra da música, aos primeiros habitantes da Austrália.

A segunda linha de “Advance Australia Fair”, o nome do hino, será alterada de ‘Pois somos jovens e livres’ para ‘Pois somos um e livres” porque afinal, os aborígenes já estavam no continente há séculos. A mudança foi anunciada hoje pelo primeiro-ministro Scott Morrison.

“Durante o ano passado, mostramos mais uma vez o espírito indomável dos australianos e o esforço conjunto que sempre nos permitiu prevalecer como nação. É hora de garantir que essa grande unidade se reflita mais plenamente em nosso hino nacional ”, afirmou Morrison. “Além disso, embora a Austrália como uma nação moderna possa ser relativamente jovem, a história de nosso país é antiga, assim como as histórias de muitos povos. É justo que asseguremos que nosso Hino Nacional reflita essa verdade e apreciação compartilhada”.

Ainda segundo o primeiro-ministro, a alteração pode ser pequena, mas representa muito.

“Nossa história se deu a partir de mais de 300 grupos ancestrais e idiomas e somos a nação multicultural mais bem-sucedida do planeta. Isso reafirma nossa determinação como uma das democracias mais antigas do mundo, ao mesmo tempo que honra as bases sobre as quais nossa nação foi construída e as aspirações que compartilhamos para o futuro ”, completou.

Infelizmente, até hoje, a maneira como os povos aborígenes foram tratados e discriminados durante os últimos séculos na Austrália, assim como em outros países, se reflete nas condições sociais e econômicas das atuais gerações.

De acordo com a organização não-governamental Australians Together, a taxa de suicídio entre os aborígenes australianos é duas vezes maior do que no resto da população, o índice de desemprego é cinco vezes mais alto entre os nativos e a expectativa de vida é dez vezes menor.

“Essas estatísticas são o resultado das injustiças persistentes da colonização – expropriação, deslocamento, exploração e violência. Este comportamento em relação aos indígenas foi justificado pelo sistema colonial britânico que não entendia, respeitava ou valorizava os aborígenes e que continua a ter um impacto sobre eles até hoje, apesar dos esforços de determinados povos indígenas para resistir e superar essa adversidade”, denuncia a Australians Together.

Leia também:
Joe Biden indica a deputada indígena Deb Halland para a Secretaria do Interior dos Estados Unidos
Após zerar casos de coronavírus, Nova Zelândia lança campanha de reconexão ao mundo com valores da cultura indígena Māori
Mulher da etnia Maori é nomeada chanceler na Nova Zelândia
Entre os mais impactados pela pandemia nos Estados Unidos, indígenas Navajo anunciam novo lockdown

Canadá altera letra do hino nacional para respeitar neutralidade de gênero

Foto: reprodução Tourism Australia’s official Facebook page/Karratha Town, WA – by @sam_rx (via IG)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

3 comentários em “Austrália muda frase no hino nacional para reparar injustiça histórica com aborígenes

  • 3 de janeiro de 2021 em 10:24 AM
    Permalink

    Se fosse mudada alguma do nosso Hino, por exemplo, poderia ser: “nossos bosques terão mais vida” se replantarem as árvores incendiadas e descontaminarem os aqüíferos, para que peixes não morram envenenados pelo mercúrio dos garimpos.

    Resposta
  • 3 de janeiro de 2021 em 9:05 PM
    Permalink

    Aí sim! Aqui na terra de Pindorama poderia também acontecer algumas reparações, inclusive no inicio do hino. “Ouviram do Ipiranga às margens plácidas” Há relato que não aconteceu aquela imagem do Ipiranga como “Independência ou Morte” e por aí vai……

    Resposta
  • 4 de janeiro de 2021 em 8:26 PM
    Permalink

    Excelente notícia. Mais que merecido

    Resposta

Deixe uma resposta