Aumento do desmatamento pode levar à extinção do macaco-barrigudo na Amazônia

Aumento do desmatamento pode levar à extinção do macaco-barrigudo na Amazônia

Um dos maiores primatas da Amazônia, o macaco-barrigudo (Lagothrix cana) pode ser encontrado nas florestas do Brasil, Peru e Bolívia, no entanto, a maior parte de sua distribuição geográfica ocorre em nosso país.

Todavia, o macaco-barrigudo, que já consta na Lista Vermelha, da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) como ameaçado de extinção, corre o risco de desaparecer já nas próximas décadas.

“Suas principais ameaças são a caça ilegal e o desmatamento (principalmente devido à agricultura e pecuária), com a consequente redução, desconexão e perda de seu habitat natural”, explica o biólogo Thiago Cavalcante, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

Com a colaboração de cientistas de outras instituições brasileiras, Cavalcante publicou um artigo científico no periódico internacional Biodiversity and Conservation em que faz um alerta sobre as ameaças ao macaco-barrigudo.

Através desse trabalho, os pesquisadores descobriram que 23% do habitat do animal já foi perdido até 2002. E estimaram que outros 58% poderão sumir nos próximos anos, mais especificamente, até 2050, caso nada seja feito para conter as taxas atuais de desmatamento na Amazônia.

O macaco-barrigudo

Não existem ainda estimativas exatas sobre a população total do Lagothrix cana em toda sua área de ocorrência. Thiago Cavalcante esclarece que devido à distribuição geográfica muito ampla do macaco-barrigudo e à escassez de dados não se tem um número aproximado do total de indivíduos na natureza.

De pelagem acinzentada, essa espécie de primata mede pouco mais de 1 metro de altura e pode atingir até 12 kg. Poligâmico, o barrigudo vive em grupos, de aproximadamente 40 indivíduos. Sua alimentação é baseada predominantemente em frutos, mas também consome folhas e sementes.

Aumento do desmatamento pode levar à extinção do macaco-barrigudo na Amazônia

Leia também:
Descrita nova espécie de macaco na Amazônia: o zogue-zogue-de-barba-branca
Perereca rara, que além de pular, consegue caminhar, é encontrada em Rondônia
Grileiros intensificam invasão na Terra Indígena Karipuna, em Rondônia

Fotos: Thiago Cavalcante (abertura) e Dennis Jarvis/Wikimedia Commons

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta