Aumento da temperatura dos oceanos provocou perda de 14% dos corais do mundo desde 2009

Aumento da temperatura dos oceanos provocou perda de 14% dos corais do mundo desde 2009

Apesar dos recifes de corais cobrirem apenas 0,2% do fundo dos oceanos do planeta, eles abrigam 25% de todas as espécies de vida marinha, fornecendo habitat e alimentos para esses seres. Todavia, nas últimas décadas, eles têm sido um dos ecossistemas mais ameaçados pela crise climática, sobretudo, pelo aumento da temperatura da água do mar. E um novo relatório global, divulgado ontem (05/10), revela que entre 2009 e 2018, 14% dos corais do mundo já foram perdidos. Ou seja, aproximadamente 11.700 km2 de corais, mais do que aqueles existentes na Austrália.

Para produzir o levantamento, “Status of Coral Reefs of the World: 2020”, a organização Global Coral Reef Monitoring Network (GCRMN) analisou estudos e pesquisas dos últimos 40 anos, envolvendo mais de 300 cientistas, de 73 países, e mais de 12 mil localidades. O resultado aponta que os recifes de corais estão sob um enorme estresse provocado pelas mudanças climáticas e outras pressões locais, como sobrepesca, desenvolvimento costeiro insustentável e declínio da qualidade da água.

Um dos eventos mais emblemáticos dessa catástrofe foi o que aconteceu em 1998. Naquele ano, um branqueamento em massa matou 8% dos corais do planeta, algo em torno de 6.500 km2. O impacto atingiu áreas do Oceano Índico, Japão e Caribe, com efeitos menores observados no Mar Vermelho, Golfo, o norte do Pacífico no Havaí e nas Ilhas Carolinas, assim como no sul do Pacífico, em Samoa e Nova Caledônia.

“As tendências de perda de corais são claramente inquietantes e podemos esperar que continuem à medida que o aquecimento persista. Apesar disso, alguns recifes mostraram uma notável capacidade de se recuperar, o que oferece esperança para a recuperação futura. Uma mensagem clara do estudo é que a mudança climática é a maior ameaça aos recifes do mundo, e todos devemos fazer a nossa parte, reduzindo urgentemente as emissões globais de gases de efeito estufa e mitigando pressões, destaca Paul Hardisty, CEO do Australian Institute of Marine Science.

Aumento da temperatura dos oceanos provocou perda de 14% dos corais do mundo desde 2009

Recifes de corais cobrem menos de 1% do fundo dos oceanos,
mas fornecem habitat e alimentos para 25% da vida marinha

A seguir alguns dos outros destaques do relatório da organização internacional:

  • As algas de recifes, que crescem durante os períodos de estresse, aumentaram 20% na última década;
  • Antes disso, em média, havia duas vezes mais corais nos recifes do mundo do que algas;
  • Recifes de coral no Triângulo de Coral do Leste Asiático, que é o centro da biodiversidade e das contas dos recifes de coral e abriga mais de 30% dos recifes do mundo, foram menos afetados pelo aumento da temperatura da superfície do mar. Apesar de alguns declínios nos corais duros durante a última década, em média, esses recifes
    têm mais corais hoje do que em 1983, quando os primeiros dados dessa região foram coletados;
  • Quase invariavelmente, declínios bruscos na cobertura de coral corresponderam a aumentos rápidos na temperatura da superfície da água, indicando sua vulnerabilidade a picos, um fenômeno que provavelmente
    acontece com mais frequência à medida que o planeta continua a aquecer.

Leia também:
Coral gigante, com mais de 400 anos, é descoberto na Grande Barreira de Corais, na Austrália
Para preservar recifes de corais, a Tailândia proíbe uso de protetor solar em praias paradisíacas
Luiz Rocha, cientista brasileiro, recebe prêmio internacional por pesquisas em recifes de corais em águas profundas
Cientistas brasileiros fazem registro inédito no mundo de reprodução de corais branqueados
Em primeira nova descoberta após 120 anos, cientistas se deparam com recife de 500 m de altura na Grande Barreira de Corais

Fotos: ARC Centre of Excellence – Coral Reef Studies/Creative Commons/Flickr (abertura) e reprodução capa relatório State of Coral Reefs of the World 2020

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta