Atobás feridos com balas de chumbinho passam por cirurgia em Santa Catarina: um sobrevive, mas outros dois morrem

Atobás feridos com balas de chumbinho passam por cirurgia em Santa Catarina: um sobrevive, mas outros dois morrem

Quanta crueldade. Difícil imaginar que alguém seja capaz de machucar um bicho intencionalmente. Mas ultimamente, tomamos conhecimento de vários casos sobre esse tipo de barbárie e achamos importante divulgar para que mais pessoas tomem conhecimento do que acontece e se mobilizem contra esses crimes. Dessa vez, os casos aconteceram em Santa Catarina, com três aves, atobás, resgatados em lugares diferentes, mas todos feridos com projéteis de armas de ar comprimido, os chamados chumbinhos.

Os atobás-pardos (Sula leucogaster) foram resgatados por diferentes pessoas ou instituições nas praias de Garopaba, dos Ingleses e próximo próximo às Ilhas Moleques do Norte – as duas últimas localizadas em Florianópolis.

Encaminhadas aos devidos órgãos de proteção ambiental, as aves acabaram sendo levadas depois para o Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM), administrado pela Associação R3 Animal*.

Atobás feridos com balas de chumbinho passam por cirurgia em SC: um sobrevive, mas outros dois morrem

Uma das aves durante a cirurgia

Todos os animais estavam muito debilitados. Um dos atobás, que não conseguia nem voar e nem nadar, estava bastante magro e apresentava problemas respiratórios. Um exame de raio-x revelou o motivo: a presença de um projétil alojado na musculatura peitoral.

Um outro tinha perda de musculatura, provavelmente causada por inanição. Após o exame radiográfico também constatou-se a presença de um chumbinho alojado na asa direita.

Atobás feridos com balas de chumbinho passam por cirurgia em SC: um sobrevive, mas outros dois morrem

Chumbinho retirado do atobá sobrevivente

Os três atobás passaram por procedimentos cirúrgicos para a retirada dos projéteis, mas infelizmente, só um deles sobreviveu.

Atobás feridos com balas de chumbinho passam por cirurgia em SC: um sobrevive, mas outros dois morrem

O atobá que sobreviveu segue em processo de reabilitação

É simplesmente inaceitável e revoltante. Até quando mais crimes como esses passarão impunes e seres humanos continuarão a impor tanto sofrimento a outros seres vivos que compartilham o planeta conosco?

—————————————————————————————————————–

Caso encontre um mamífero, ave ou tartaruga marinha debilitada ou morta na praia, ligue 0800 642 3341, das 7h às 17h. Sua ajuda é fundamental para salvar vidas!

————————————————————————————————————

*O trabalho de reabilitação de animais marinhos que a R3 Animal realiza em Florianópolis faz parte do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), uma condicionante do licenciamento ambiental para a exploração do pré-Sal conduzido pelo Ibama. O PMP-BS vai de Laguna SC até Saquarema RJ e é executado por 15 instituições diferentes.

Leia também:
Morte de raríssimo alce branco por caçadores provoca comoção no Canadá
Caçadores matam onça-pintada no Pantanal e penduram cabeça em árvore
Contra a caça de animais silvestres: por mais vida e paz em nossas florestas!
‘Me Deixa Ser Selvagem’: campanha pressiona líderes globais pelo fim do comércio de animais silvestres

Fotos: divulgação R3 Animal/Nilson Coelho

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Atobás feridos com balas de chumbinho passam por cirurgia em Santa Catarina: um sobrevive, mas outros dois morrem

  • 19 de novembro de 2020 em 1:58 PM
    Permalink

    Demônios à solta versus Anjos vencidos.

    Resposta

Deixe uma resposta