Ativista colombiano de 11 anos que recebeu ameaça de morte é homenageado pela ONU

Ativista colombiano de 11 anos que recebeu ameaça de morte é homenageado pela ONU

“Meu nome é Francisco Javier Vera Manzanares, sou um ativista ambiental. Vim em nome do meu grupo – Guardiões pela Vida -, para pedir que tomemos consciência dos danos que causamos ao meio ambiente. Peço que, governos e senadores legislem pela vida, contra campanhas de fraturamento hidráulico, testes em animais, plásticos descartáveis ​​ou abuso de animais”.

Foi assim que, quando ainda tinha 10 anos, o pequeno ativista ambiental da Colômbia se apresentou durante um discurso no congresso de seu país, pouco antes da pandemia. O menino, que mora em Villeta, a cerca de 90 km da capital, Bogotá, demonstrou desde muito cedo sua preocupação com a natureza e as pessoas a seu redor, sobretudo, os direitos das crianças.

Atualmente o Guardiões pela Vida, fundado por Francisco, que hoje tem 11 anos, já tem centenas de membros em seu país, assim como na Argentina e México. Ele também faz parte na Colômbia do movimento Fridays for Future, criado pela ativista sueca Greta Thunberg.

Ativista colombiano de 11 anos que recebeu ameaça de morte é homenageado pela ONU

Francisco, no canto esquerdo, de óculos e com o megafone, em uma mobilização pelo clima (antes da pandemia)

Todavia, no mês passado, depois que Francisco começou a ficar mais conhecido, ele recebeu uma ameaça através do Twitter. Ele havia pedido mais atenção do governo para os estudantes durante o ensino virtual na pandemia. Sua solicitação era de que o serviço de conexão fosse melhorado para que todos pudessem ter acesso às aulas online.

A postagem bárbara de um covarde, escondido atrás de uma tela, contra uma criança causou revolta e comoção nacional e várias personalidades, entidades e políticos, entre eles, o presidente Ivan Duque, demonstraram repúdio à ameaça e cobraram investigação para que o responsável seja encontrado. Também externaram seu apoio ao lindo ativismo de Francisco.

Além disso, o menino ativista recebeu uma carta de Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile e atual Alta Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, entregue pessoalmente em sua casa por um representante da entidade na Colômbia.

“Querido Francisco,

É um prazer para mim te cumprimentar através desta carta e reconhecer o que você e outros meninos e meninas estão fazendo para proteger o planeta e nossos direitos humanos…

Te parabenizo e agradeço por essas ações que permitem que avancemos como humanidade e que demonstram solidariedade e compromisso com a possibilidade de um mundo melhor.

Nosso futuro precisa de muitas pessoas como você…”, diz o texto da carta.

Cópia da carta enviada por Michelle Bachelet a Francisco

A Colômbia é um dos países do mundo onde mais ativistas são mortos. Em um ranking internacional divulgado em 2019, ela aparecia em 2o lugar nos números de assassinatos a ambientalistas, ativistas e indígenas.

“No futuro, eu gostaria de ser astrofísico e político. Astrofísico porque gosto bastante de ciência e história, mas estou rumando muito mais para a física, entretanto, também para a política porque acredito que devemos fazer uma mudança”, sonha o menino.

Abaixo, pra quem entende espanhol, uma live recente de Francisco, em que ele fala sobre empatia, a importância do uso de máscaras de proteção e mudanças climáticas. Dá para sentir pelo vídeo todo o carisma e empolgação desse jovem sensacional:

Leia também:
Clima de Eleição: jovens ativistas climáticos capacitam candidaturas e ajudam a qualificar o debate
Mudança climática é o principal desafio da humanidade, afirmam 10 mil jovens de mais de 20 países
“Greta é a única amiga por quem eu faltaria às aulas”, declara Malala Yousafazai após encontro com a ativista em Oxford
Greta Thunberg anuncia criação de fundação para promover a sustentabilidade climática, ecológica e social

Fotos: reprodução Facebook Movimiento Ambiental Guardianes Por La Vida

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta