PUBLICIDADE

Aria surpreende a todos e reaparece, bem e saudável, após morte da mãe, durante colisão com um navio

Aria surpreende a todos e reaparece, bem e saudável, após morte da mãe, durante colisão com um navio

Entre as principais causas de mortes de baleias nos oceanos está a colisão com embarcações. Foi assim que, no ano passado, a baleia jubarte conhecida como Fran perdeu a vida na costa oeste dos Estados Unidos. A fêmea era muita conhecida e querida por diversas organizações que fazem o monitoramento de cetáceos naquela região.

Em agosto a carcaça de 15 metros de Fran apareceu numa praia da Baía de Half Moon, na Califórnia. A necropsia revelou que a jubarte de 17 anos tinha morrido dos ferimentos provocados pela colisão. Uma vida curta demais interrompida. Na vida selvagem, a espécie – a Megaptera novaeangliae – pode viver entre 40 e 50 anos.

Na época Fran estava acompanhada de um filhote, a fêmea batizada com o nome de Aria, de apenas nove meses. Todos achavam que ela não tinha sobrevivido também ao acidente.

Entretanto, para surpresa e alegria, uma imensa alegria, de todos, a filhote que tem 1 ano e meia foi avistada junto com um grupo de jubartes na Baía de Monterey.

Mesmo após perder a mãe, Aria conseguiu retomar a jornada migratória até o México, uma distância de quase 2,5 mil km.

“Não estava claro se ela aprenderia ou não essa rota com sucesso. Não estava claro se ela tinha tido tempo suficiente com a mãe para aprender habilidades importantes”, disse o biólogo marinho Dane McDermott, ao site The Mercury News. “Ela deve ter contado com as reservas calóricas para sobreviver àquelas primeiras semanas difíceis. Ou ela pode ter sido superinteligente – um filhote precoce – que junto tudo”.

E agora, Aria parece bem e saudável.

“Aria é uma filhote forte que foi vista se alimentando sozinha aqui em Monterey, então temos confiança de que este pequeno raio de esperança continuará a prosperar na baía!”, compartilhou em suas redes sociais a Monterey Bay Whale Watch, empresa de ecoturismo que faz a observação de baleias, orcas e golfinhos na Baía de Monterey.

Para se ter certeza que a jubarte observada pelo Monterey Bay Whale Watch era mesmo Aria, sua imagem foi enviada a um banco de dados que possui fotos e informações de 30 mil baleias no Pacífico Norte e outras 50 mil no resto do mundo. Com a ajuda de inteligência artificial, foi feita a comparação dos registros da filhote no ano passado, ao lado da mãe ainda viva, e o flagrante atual. E bingo!, ela era mesma.

A cauda da filhote mostrava cicatrizes de cracas localizadas no local exato de Aria. A barbatana também era nitidamente preta no centro, tornando-se rapidamente branca. A identidade de Aria foi confirmada por outra foto tirada por Kate Cummings, da Blue Ocean Whale Watch.

Leia também:
Censo aponta número recorde de baleias jubarte no litoral brasileiro em 2022
Registrado pela primeira vez nascimento de filhote de jubarte em águas cariocas
Baleia jubarte sai da lista de espécies ameaçadas de extinção na Austrália

Foto de abertura: Tim Huntington/Happy Whale/Creative Commons

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE