PUBLICIDADE

Arara de cidade grande

Projeto Arara Azul

Se o Projeto Arara Azul não existisse, talvez fosse impossível avistar essa ave no Pantanal. Na década de 80, eram 1500 indivíduos na região. Em 2014, após mais de duas décadas de trabalho intenso (e incrível!) de pesquisadores, esse número saltou para 5 mil, e a espécie foi excluída da lista de animais em extinção.

Mas nem é preciso viajar para terras pantaneiras para acompanhar o ótimo trabalho deste projeto – ou avistar araras pelos céus. O turismo de observação também acontece em Campo Grande, a capital sul-matogrossense. A única diferença é que, nessa cidade, a espécie conservada é a arara-canindé (com plumagem amarelo-ouro, azul e verde, como as da foto).

É bem difícil acreditar que dá pra encontrar essas aves em meio a prédios altos, carros e buzinas. E é justamente essa a beleza do passeio. Os visitantes acompanham os profissionais do projeto no monitoramento dos ninhos, tiram muitas fotos e também suas dúvidas em relação aos animais.

O roteiro, que deve ser agendado, pode durar meio período ou um dia inteiro. Ele inclui uma conversa sobre o Arara Azul, os resultados do projeto e sua história. Você descobre, entre outras curiosidades, que essa iniciativa nasceu em 1989, quando a bióloga Neiva Guedes, ao fazer um curso no Pantanal, soube que as araras estavam desaparecendo. O resto você descobre por lá…

Vale destacar que o valor integral do passeio é destinado aos projetos da instituição, que abrangem, além da conservação das araras e de outras espécies de aves, programas de educação ambiental.

Saiba mais sobre o Projeto Arara Azul e o passeio em Campo Grande no Guia Garupa do Brasil Autêntico.

Foto: Aline Calderan/Projeto Arara Azul

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE