Aprovada lei que proíbe a eutanásia de cães e gatos saudáveis em canis e demais órgãos públicos

Aprovada lei que proíbe a eutanásia de cães e gatos saudáveis por canis e demais órgãos públicos

Agora é lei! Órgãos públicos, como centros de zoonose, canis e estabelecimentos similares ficam proibidos de sacrificar cães e gatos saudáveis. O projeto de lei (PL), de autoria do deputado Ricardo Izar (PP-SP), foi sancionado ontem (21/10) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e o texto publicado no Diário Oficial da União. A legislação entra em vigor em 120 dias.

Segundo a nova lei, só poderão ser submetidos a eutanásia gatos e cães que tenham “casos de doenças graves ou enfermidades infectocontagiosas incuráveis, que coloquem em risco a saúde humana e de outros animais”. E mesmo assim, será necessário que os órgãos competentes apresentem um laudo técnico antes que seja realizado o sacrifício desses bichos.

O texto determina ainda que entidades de proteção animal tenham acesso total e irrestrito a esse tipo de documentação para que seja comprovada a legalidade desses procedimentos.

“Essa proibição formaliza em lei algo que, de certa maneira, já vinha ocorrendo na prática. Há muito tempo a sociedade não tolera mais esse tipo de procedimento. E essa mudança aconteceu por causa do ativismo que há décadas luta contra a matança de animais nos canis”, celebra Maurício Varallo, diretor da ONG Olhar Animal.

“É uma vitória para a causa animal. Porque animal não é coisa”, afirmou Izar ontem. O deputado aproveitou a comemoração da sanção de seu projeto para mencionar outro de qual também é autor, o PL que ficou conhecido como #AnimalNãoÉCoisa, que acrescenta um parágrafo ao artigo 82 do Código Civil para dispor sobre “a natureza jurídica dos animais domésticos e silvestres (leia mais aqui).

Os infratores da nova lei, a 14.228 ficam sujeitos às penalidades previstas para Crimes Ambientais, que prevê detenção, de três meses a um ano, e multa para aqueles que “praticam ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”.

*Com informações da Agência Senado

Leia também:
Belo Horizonte inaugura o primeiro Instituto Médico Legal Veterinário do país, que ajudará no combate a crimes de maus-tratos contra animais

Cortar orelha e rabo de animais por estética não é nada bonito: é crime!
Tubarão é capturado, torturado e morto em praia do litoral do Ceará: criminosos foram identificados e autuados pelo Ibama
Projeto de lei defende que exploração animal torne-se “Patrimônio Cultural Imaterial” do Brasil. Vote contra mais este absurdo!
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro reconhece direito de alunos que se recusam a usar animais em estudos e pesquisas

Foto: Mohnish Landge on Unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta