PUBLICIDADE

Após suspensão temporária, Islândia volta a permitir a caça comercial de baleias

Após suspensão de caça a baleias, Islândia anuncia que abate comercial voltará a ser permitido

Em julho, a Islândia tinha decretado uma suspensão da caça a baleias-fin. A medida foi tomada após um relatório revelar que diversas irregularidade no abate pela indústria baleeira, como por exemplo, um tempo demasiado, além daquele estipulado pelo Ato de Bem-Estar Animal, e causando ainda mais sofrimento.

Mas agora, depois de dois meses, para o desapontamento e frustração de ambientalistas e críticos da caça, o governo islandês acaba de voltar atrás e permitir novamente a caça das baleias. Segundo comunicado do Ministério da Agricultura e da Pesca, normas mais rígidas foram implementadas tanto para os equipamentos, como os métodos usados.

“Retomar a caça comercial às baleias é um passo na direção errada para a Islândia”, lamentou Chris Johnson, líder global da Iniciativa de Proteção às Baleias e Golfinhos do WWF. “

As baleias-fin, também chamadas de baleias-comuns (Balaenoptera physalus) são o segundo maior animal da Terra e classificadas como ‘vulneráveis’ à extinção pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês). Elas são encontradas em todos os principais oceanos, das regiões tropicais às polares.

“Crescentes evidências científicas mostram que as grandes baleias beneficiam a produtividade dos oceanos e sequestram carbono ao longo das suas vidas. No Atlântico Norte, as baleias-comuns têm longos padrões migratórios sobre os “corredores azuis”. Estes benefícios são cruciais para múltiplas nações e para o alto mar. Ao proteger as baleias, protegemos os nossos oceanos e a nós mesmos”, ressaltou Johnson.

De acordo com o WWF, há apenas uma única empresa baleeira, a Hvalur, que ainda opera na Islândia e sua licença irá expirar em dezembro de 2023.

“Ainda há uma oportunidade para a Islândia tomar a decisão certa e cessar a caça comercial às baleias no final de 2023, alinhando-se com a comunidade internacional e com a moratória global da Comissão Baleeira Internacional sobre o tema. Temos a responsabilidade coletiva de proteger as baleias-comuns para as gerações futuras”, destacou o representante da organização.

Em fevereiro deste ano, a ministra da Agricultura e da Pesca, Svandís Svavarsdóttir, tinha sugerido a jornais locais que a Islândia daria fim à caça de baleias a partir de 2024. O motivo seria a queda na demanda pela carne desse cetáceo, sobretudo pelo mercado japonês.

Em 2019, o país escandinavo tinha estabelecido uma cota de caça de 210 baleias fin e 217 baleias mink por ano. Apesar de serem apenas estas espécies permitidas, há pouco mais de três anos pescadores islandeses foram flagrados com uma baleia azul morta, o maior animal do planeta e considerado ameaçado de extinção.

“A Islândia é realmente um país mágico e encantador, saído diretamente das páginas da mitologia. É uma pena que esta imagem seja quebrada pelas ações de um homem. Kristjan Loftsson é um personagem maquiavélico que é o CEO da última operação baleeira comercial na Islândia. Sua licença para caçar baleias-comuns expira em 2023, e ele está explorando isso até os últimos momentos. Seu objetivo é matar pelo menos 140 baleias (embora ele possa matar até 210), que são uma espécie vulnerável que enfrenta muitas outras ameaças à sua sobrevivência, além dos arpões com pontas de granadas de Loftsson”, relatou Ky Trickett, estudante de jornalismo e voluntário da Sea Shepherd, que acompanhou e fez um relato revoltante sobre a temporada de caça das baleias na Islândia.

Leia também:
Mar de sangue em matança (legal) de baleias nas Ilhas Faroe
Japoneses matam mais de 300 baleias para “pesquisas científicas”
Brasil aprova “Declaração de Florianópolis” que garante proteção das baleias

Foto de abertura: Ky Trickett/Sea Shepherd

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE