Após sacolas, Nova Zelândia anuncia proibição de mais produtos descartáveis plásticos e isopor

Após sacolas, Nova Zelândia anuncia proibição de demais produtos descartáveis plásticos e isopor

Em 2018, conforme adiantamos aqui nesta outra reportagem, a Nova Zelândia já tinha anunciado o fim das sacolas plásticas. Todavia, o governo tinha planos mais ambiciosos e queria banir todos os produtos descartáveis feitos com plástico. Todavia, antes disso, o Ministério do Meio Ambiente abriu uma consulta pública para ouvir a opinião da população. E os neozelandeses concordaram com a decisão: dar um basta a esses resíduos, que vem causando um impacto ambiental enorme, sobretudo, nos oceanos.

Segundo informações divulgadas recentemente, até 2025, ficará proibido o uso também no país dos seguintes produtos que contenham plástico: canudos, cotonetes, misturadores de bebidas, talheres, etiquetas, além de embalagens produzidas com o poliestireno expandido ou EPS, na sigla em inglês, popularmente conhecido como isopor – assim como o plástico, um material proveniente do petróleo.

O fim da comercialização e utilização desses produtos na Nova Zelândia será implementado de forma gradual, nos próximos quatro anos.

“Esses tipos de plásticos muitas vezes acabam como resíduos em aterros sanitários e causam poluição em nossos solos, cursos de água e oceano. A redução desses resíduos melhorará nosso meio ambiente, melhorará nosso sistema de reciclagem e estimulará alternativas reutilizáveis ou ambientalmente responsáveis”, afirmou o ministro do Meio Ambiente, David Parker.

A expectativa é que com a nova lei mais de 2 bilhões de itens plásticos deixem de ser descartados, por ano, em aterros sanitários ou no meio ambiente. Atualmente a Nova Zelândia está entre os dez maiores produtores per capita de resíduos de aterros sanitários do mundo.

“O prazo para a eliminação gradativa atinge um equilíbrio entre o apelo público para uma ação urgente e o tempo necessário para que as empresas se ajustem e para que alternativas sejam encontradas. Estamos incentivando companhias e pessoas a encontrar opções reutilizáveis. Sabemos que existem alternativas disponíveis, incluindo plástico reciclável ou recipiente à base de papel”, diz Parker.

Para promover o desenvolvimento de novos materiais, o governo neozelandês criou um Fundo de Inovação ao Plástico. A iniciativa fará um investimento de $50 milhões em projetos e soluções de substituição ao plástico, que possam ser viabilizadas em grande escala.

*Com informações da Assessoria de Imprensa do Governo da Nova Zelândia

Leia também:
Chile aprova, por unanimidade, lei que proíbe plásticos descartáveis
Agora plástico é considerado resíduo tóxico no Canadá
Apesar de apoio popular, PL que restringe uso de plástico no Brasil empaca no Senado por causa de pressão da indústria

China anuncia proibição de sacolas e produtos descartáveis feitos de plástico
Índia anuncia proibição a plásticos descartáveis a partir de 2022
Parlamento europeu aprova proibição de plásticos de uso único

Image by rawpixel.com

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

3 comentários em “Após sacolas, Nova Zelândia anuncia proibição de mais produtos descartáveis plásticos e isopor

  • 5 de julho de 2021 em 8:59 AM
    Permalink

    VIVA A Nova Zelândia !!!!!! QUERO UM BRASIL Nova Zelândia !!!!!!!!!!!!

    Resposta
  • 5 de julho de 2021 em 9:21 AM
    Permalink

    Um referencial para o mundo copiar e salvar em todas as pastas.

    Resposta

Deixe uma resposta