Após pouco mais de um mês, tartaruga resgatada e que tinha plástico no estômago, é devolvida ao mar em Santa Catarina

Após pouco mais de um mês, tartaruga resgatada e que tinha plástico no estômago, é devolvida ao mar em Santa Catarina

Em meados de junho, como contei nesta outra reportagem, uma tartaruga-verde (Chelonia mydas) foi encontrada perto da Beira Mar de São José, na divisa de Florianópolis, em Santa Catarina. O animal, que estava bastante debilitado, foi levado pela organização R3 Animal para a sede do Projeto Tamar na região.

A tartaruga era um indivíduo juvenil e apresentava um lesão linear na base da nadadeira anterior direita, compatível com ferimento causado por rede de emalhe. Além disso, por diversos dias seguidos, o animal defecou uma grande quantidade de plástico: fios de nylon, barbantes e um pedaço de uma tampa de garrafa PET. Suspeitava-se ainda que, por ter ficado presa na rede de pesca, poderia ter se afogado e engolido água, o que poderia causar uma pneumonia.

“Por causa dos resíduos plásticos, o animal ficou em observação até que todos eles fossem eliminados nas fezes, pois existe o risco de obstrução intestinal por corpo estranho e a necessidade de intervenção clínica ou cirúrgica”, explica Joyce Bitencourt, veterinária do Tamar.

Mas felizmente a tartaruga reagiu bem ao tratamento e esta semana chegou a hora de devolvê-la ao mar. Há dois dias o animal foi levado para uma praia e solto na beira da água.

“A soltura é um dos momentos mais marcantes para quem trabalha com resgate e reabilitação de animais marinhos. Saber que aquela vida salva poderá retornar saudável à natureza é um sentimento de missão cumprida”, celebrou a equipe da R3 Animal.

Após pouco mais de um mês, tartaruga resgatada e que tinha plástico no estômago, é devolvida ao mar em Santa Catarina

Moradores locais acompanham o momento do retorno da tartaruga ao mar

Em novembro do ano passado, a R3 Animal também resgatou um lobo-marinho que tinha resíduos plásticos no estômago (após um mês e meio de reabilitação ele foi devolvido ao mar: leia mais aqui).

Como já tinha escrito no meu texto anterior, casos como esses ocorridos em Santa Catarina – dois entre os milhões que acontecem todo os dias no planeta -, são mais um alerta de como são urgentes ações para proteger nossos oceanos e reduzir a produção da indústria de plástico.

——————————————————————————————————

*Caso você aviste um mamífero, ave ou tartaruga marinha debilitada ou morta na praia, no Paraná, Santa Catarina ou São Paulo, ligue para o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), no telefone 0800 642 3341. No Rio de Janeiro o número é 0800 9995151Sua ajuda é fundamental para salvar vidas!

Leia também:
Filhote de tartaruga resgatado em praia na Austrália defecou plástico durante seis dias

Tartaruga resgatada presa em rede de pesca tem intestino cheio de lixo plástico
Golfinho morre por causa de tira de sandália presa em focinho
Filhote de tartaruga morta tinha mais de 100 pedaços de plástico no estômago

Fotos: Nilson Coelho/R3 Animal

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.