Após anos em circos, mais de 30 elefantes ganham novo lar em santuário de vida selvagem na Flórida

Após anos em circos, mais de 30 elefantes ganham novo lar em santuário de vida selvagem na Flórida

Recentemente os circos Ringling Bros., Barnum & Bailey anunciaram o fim de suas atividades nos Estados Unidos. Com o encerramento das apresentações, 32 elefantes asiáticos, com idades que variam entre oito e 38 anos, precisaram ser encaminhados para entidades de proteção animal. E finalmente, ganharão um lar onde poderão viver como nunca deveriam ter deixado: animais, em meio à natureza.

Os elefantes passarão a viver num santuário de vida selvagem, no estado americano da Flórida, o White Oak Conservation. As primeiras doze fêmeas já chegaram ao local e assim que os ambientes dos demais 20 fiquem prontos, eles também serão transportados até lá.

A viagem até o centro de conservação, pouco mais de 300 km, foi feita em caminhões customizados, que carregaram dois elefantes por vez, acompanhados por veterinários e especialistas.

Todo o grupo já tinha passado por um processo de socialização antes da viagem. Há, entre eles, duas irmãs.

Os animais viverão em meio a florestas de pinheiros com lagos, pântanos e pastagens abertas. Também terão acesso a áreas fechadas, já que muitos estão acostumados com a presença de humanos e podem sentir falta desses cuidados.

“Estamos entusiasmados em dar a esses elefantes um lugar para passear e explorar. Para esses elefantes que não podem ser soltos em seu habitat nativo, temos o prazer de dar a eles um lugar onde possam viver confortavelmente pelo resto de suas vidas”, afirmaram Mark e Kimbra Walter, fundadores da White Oak Conservation.

Após anos em circos, mais de 30 elefantes ganham novo lar em santuário de vida selvagem na Flórida

Os elefantes estão se adaptando bem na área de conservação

“Ver os elefantes indo para seu novo habitat foi um momento incrível. Fiquei muito feliz em vê-los sair juntos, tranquilos e depois sair para explorar seu novo ambiente. Ver os elefantes nadando pela primeira vez foi incrível”, contou Nick Newby, chefe do time de especialistas do centro de conservação.

A White Oak Conservation é uma organização particular, ao norte da Flórida, criada em 1982, pelo casal de filantropos Mark e Kimbra. São 6 mil hectares de área, onde vivem várias espécies de animais ameaçados de extinção. Em parceria com órgãos governamentais, realiza esforços de recuperação de populações como a da pantera da Flórida, símbolo do estado.

Os elefantes asiáticos

Na vida selvagem, em seu habitat natural, os elefantes asiáticos (Elephas maximus) lutam pela sua sobrevivência. No começo do século 20, estima-se que fossem 100 mil deles. Hoje esse número está entre 30 e 50 mil. Atualmente eles são encontrados em apenas 15% da sua área de abrangência original. Entre suas principais ameaças estão o desmatamento, a interação com humanos e a caça.

A espécie é considerada o maior mamífero terrestre da Ásia e o segundo maior do mundo, atrás apenas dos elefantes africanos. Em média, os machos têm cerca de 2,7 metros de altura e pesam até 5 toneladas.

Ao contrário dos elefantes africanos, no caso dos asiáticos, somente os machos possuem presas.

Após anos em circos, mais de 30 elefantes ganham novo lar em santuário de vida selvagem na Flórida

Finalmente, em meio à natureza: uma das fêmeas tomando banho no santuário da Flórida

Leia também:
Bambi, a futura moradora do Santuário dos Elefantes Brasil, em breve estará em seu novo lar no Mato Grosso
Flagrantes revelam treinamento cruel de elefantes usados em atrações turísticas
Fronteira entre Brasil e Argentina é aberta para a passagem de Mara, a nova moradora do Santuário dos Elefantes, na Chapada dos Guimarães
Circo alemão faz espetáculo fascinante ao substituir animais reais por hologramas
Portugal proíbe uso de animais selvagens em circos

Fotos: divulgação White Oak Conservation

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Após anos em circos, mais de 30 elefantes ganham novo lar em santuário de vida selvagem na Flórida

  • 19 de maio de 2021 em 2:09 PM
    Permalink

    Não por acaso chama-se Santuário, esse local Santificado destinado a ressarcir as vítimas da exploração e crueldade humanas. Por todo o empenho, preocupação, devotamento, compaixão, amor, suor e lágrimas, obrigada a vocês da equipe salvadora, em nome da vida. Que esses grandões acordem agora todos os dias para ser felizes, ao som dos passarinhos e se possível sejam gratos aos anjos que os salvaram para usufruir deste Céu, passo a passo conquistado, merecidamente para sempre DELES.

    Resposta

Deixe uma resposta