Após 3 mil anos, nascem primeiros filhotes de diabo-da-tasmânia na Austrália continenal, graças à reintrodução da espécie

Após 3 mil anos, nascem primeiros filhotes de diabo-da-tasmânia na natureza, graças à reintrodução da espécie

No ano passado escrevi sobre esta história no Conexão Planeta. 26 diabos-da-tasmânia foram reintroduzidos em um santuário de vida selvagem de 400 hectares ao norte de Sidney, em New South Wales, na Austrália.

A espécie (Sarcophilus harrisii), endêmica da Tâsmania, uma ilha no extremo sul do país, também podia ser encontrada na parte continental do continente há cerca de 3 mil anos. Mas com o passar do tempo e a chegada dos colonizadores europeus fez com eles fossem dizimados completamente dessa área. Acredita-se que uma das principais causas foi a introdução de outros predadores, como o dingo, um cão selvagem, originário dos alpes australianos, que caça o diabo-da-tasmânia.

Mas em 2020, graças à parceria e ao trabalho de três organizações não-governamentais, a Aussie Ark, a Global Wildlife Conservation e a Wild Ark, os animais foram soltos na natureza e a expectativa era que se reproduzissem.

Após 3 mil anos, nascem primeiros filhotes de diabo-da-tasmânia na natureza, graças à reintrodução da espécie

Pois esta semana chegou a boa notícia! A equipe da Aussie Ark anunciou que nasceram sete filhotes. Os primeiros na vida selvagem depois de 3 mil anos!

Como são mamíferos marsupiais, a única maneira de monitorar o nascimento dos filhotes é através da captura das fêmeas. Foi isso que foi feito, de maneira bastante cuidadosa, e se constatou a presença dos pequenos diabinhos na bolsa da mãe.

“Temos trabalhado incansavelmente durante a maior parte dos últimos dez anos para devolver os demônios às terras selvagens da Austrália continental com a esperança de que eles estabeleceriam uma população sustentável. Assim que estivessem de volta, a responsabilidade caberia inteiramente a eles. Estivemos observando-os de longe até que chegou a hora de intervir e confirmar o nascimento de nossos primeiros filhotes selvagens. E que momento foi este! Isto é apenas o começo!”, escreveu a Aussie Ark em sua página no Facebook.

A reintrodução do diabo-da-tasmânia faz parte do projeto “Rewild Australia”  (“Torne a Austrália Selvagem Novamente”, em tradução livre para o português), que busca recuperar espécies e habitats no país, assim como eles eram em séculos passados.

O programa de reprodução iniciado na última década conseguiu que hoje a população mantida pelo Aussie Ark seja de mais de 390 animais. No começo, eram 44.

Após 3 mil anos, nascem primeiros filhotes de diabo-da-tasmânia na natureza, graças à reintrodução da espécie

Leia também:
Proteína de aranha pode curar câncer que dizima diabo-da-Tasmânia

Fotos e informações: Aussie Ark (a imagem que abre este post é de um filhote já grande. Os que nasceram agora e estão dentro da bolsa da fêmea não foram fotografados)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

7 comentários em “Após 3 mil anos, nascem primeiros filhotes de diabo-da-tasmânia na Austrália continenal, graças à reintrodução da espécie

  • 26 de maio de 2021 em 12:10 PM
    Permalink

    Que a Mãe Natureza acolha e proteja estes diabinhos-da-tasmania, pois todos os bebês são anjos quando nascem, mormente estes, pelos quais “se esperou” três históricos mil anos, para quem acha nove meses muito.

    Resposta
  • 26 de maio de 2021 em 4:17 PM
    Permalink

    Emocionante. Dá vontade de estar lá.

    Resposta
  • 26 de maio de 2021 em 9:05 PM
    Permalink

    não houveram colonizadores europeus à 3000 anos, foi a chegada dos primeiros humanos (hoje conhecidos como “aborigenes”) e a competição com os dingos que levaram à extinção deles no continente africano

    Resposta
    • 27 de maio de 2021 em 10:00 AM
      Permalink

      Oi Giovane,
      Sim, isso não ficou claro no texto. Já alteramos.
      Obrigada pela mensagem.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta
  • 27 de maio de 2021 em 11:34 AM
    Permalink

    Parabéns Austrália que o mundo siga seu EXEMPLO.

    Resposta
  • 9 de setembro de 2021 em 4:47 PM
    Permalink

    Extinguiram-se há 3000 anos, mas a culpa foi dos colonizadores que lá chegaram há menos de 500 anos. Vão dar banho ao Diabo da Tasmania!

    Resposta
    • 10 de setembro de 2021 em 12:19 PM
      Permalink

      … “Acredita-se que uma das principais causas foi a introdução de outros predadores, como o dingo, um cão selvagem, originário dos alpes australianos, que caça o diabo-da-tasmânia”…
      Está no texto! O mesmo aconteceu em diversos outros lugares, como na Inglaterra, por exemplo, onde a introdução do esquilo-cinza, vindo dos Estados Unidos, dizimou a espécie local.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta