Apesar de liberação do Canal de Suez, 200 mil animais podem morrer de fome e sede dentro de navios

Apesar de liberação do Canal de Suez, 200 mil animais podem morrer de fome e sede dentro de navios

Após vários dias bloqueando o Canal de Suez, no Egito, o navio de bandeira panamenha, Ever Given, precisou de uma complicada operação de resgate para ser desencalhado, e assim, poder liberar o tráfego de embarcações nessa rota, que concentra 12% do comércio marítimo mundial. Todavia, ainda está longe do fim o sofrimento de cerca de 200 mil animais confinados em outros navios que tiveram sua viagem atrasada e aguardavam passagem.

De acordo com informações da ONG Animals International, os cargueiros partiram da Espanha e da Romênia e têm como principal destino o Oriente Médio. A exportação de animais vivos para a região é comum porque o abate deles precisa ser feito conforme os preceitos da religião islâmica, conhecido como “halal”. Acredita-se que grande parte da “carga” seja de ovelhas e gado.

Mas apesar do desbloqueio do Canal de Suez, as embarcações com os animais ainda estão distantes de seus destinos finais e provavelmente haverá falta de comida e água no caminho.

“Um navio que deixou a Romênia em 16 de março estava programado para chegar à Jordânia no dia 23, mas agora chegará ao porto em 1º de abril, no mínimo. Isso é um atraso de nove dias”, afirmou Gabrile Păun, diretor da Animals International para a Europa ao site EU Observer.

De acordo com a legislação europeia, navios que transportam animais vivos precisam carregar 25% mais comida do que o planejado para viagens em caso de atrasos, mas entidades de proteção animal revelam que isso raramente acontece.

A Romênia é um dos maiores exportadores de ovelhas vivas da Europa. Em 2019, cerca de 14 mil desses animais que foram enviadas desse país para a Arábia Saudita morreram quando um navio naufragou parcialmente. As equipes de resgate só conseguiram salvar pouco mais de 200 delas.

Essa nova tragédia acontece poucas semanas após centenas de bois que ficaram confinados mais de dois meses em navios no Mar Mediterrâneo precisaram ser sacrificados. É por isso que várias organizações internacionais pedem o fim da exportação de animais vivos.

Leia também:
Morte de animais silvestres em centro de triagem do Ibama é investigada como crime ambiental pela PF e pelo MPF
Projeto de lei defende que exploração animal torne-se “Patrimônio Cultural Imaterial” do Brasil. Vote contra mais este absurdo!
Justiça proíbe provas de laçada de bezerro em Avaré, no interior de São Paulo
Projeto de lei quer proibir que milhões de pintinhos machos sejam triturados vivos em São Paulo

Foto: divulgação Animals International

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta