PUBLICIDADE

Aos 87 anos, Sylvia Earle, a mais renomada oceanógrafa do mundo, faz seu primeiro mergulho no Brasil

Quando se fala na proteção dos oceanos do planeta, Sylvia Earle é o primeiro grande nome que vem a mente de muitos. Dentre as diversas homenagens recebidas ao longo da longa carreira em prol da conservação de nossos mares e de sua biodiversidade, a bióloga marinha, oceanógrafa e exploradora americana recebeu o título da revista Time de “Heroína do Planeta”. Foi a primeira mulher cientista chefe da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos.

Aos 87 anos, Sylvia está no Brasil. Já visitou o país outras vezes, mas pela primeira vez ela mergulhou em águas brasileiras. A pesquisadora, que tem no currículo mais de 7.500 horas no fundo do mar, veio ao país para conhecer o trabalho realizado pelo Projeto Ilhas do Rio, na região do Monumento Natural das Ilhas Cagarras, a primeira Unidade de Conservação Marinha de Proteção Integral da cidade do Rio de Janeiro e participar da conferência “Oceano e Clima – a conservação marinha no combate às mudanças climáticas no Brasil”.

Na segunda-feira, 26/07, a pesquisadora mergulhou no entorno das Ilhas Cagarras. Segundo post compartilhado pelo Ilhas do Rio em suas redes sociais, Sylvia pode observar baleias-jubarte e uma raríssima aparição de baleia-franca com um filhote.

PUBLICIDADE

“Prestes a completar 88 anos, Dra. Sylvia Earle, a grande referência para conservação marinha no planeta, mergulhou pela primeira vez no Brasil. Um dia para ficar marcado!”, celebrou a equipe do projeto.

Em 2021, como contamos nesta outra reportagem, o Monumento Natural das Ilhas Cagarras e as águas do entorno entraram para a seleta lista de “Hope Spots” da Aliança Internacional Mission Blue, composta por aproximadamente 140 locais em todo o mundo.

Sylvia Earle é presidente da instituição, que concede o título“Hope Spot” – “Pontos de Esperança”, como é chamado em português -, que reconhece a diversidade, importância e também risco em que se encontram certos ecossistemas e que, por isso, merecem atenção do poder público e da sociedade para que se mantenham conservados.

Registros do mergulho de Sylvia Earle no Brasil
(Fotos: divulgação Ilhas do Rio)

Apesar de estar localizado a apenas 5 km da praia de Ipanema, ou seja, tão próximo do centro urbano, o Monumento Natural das Ilhas Cagarras é um importante corredor migratório de baleias e habitat de centenas de espécies marinhas raras, endêmicas e também, em risco em extinção. Já foram registradas ali mais de 600 espécies de animais e plantas. E se não bastasse tudo isso, ainda abriga um sítio arqueológico tupiguarani.

As águas no entorno das Ilhas Cagarras que também foram incorporadas à região delimitada como Hope Spot incluem desde as praias da Zona Sul carioca, como Leblon e Copacabana, até a entrada da Baía de Guanabara, a Ilha de Cotunduba e a Praia Vermelha.

O selo internacional é um aliado não somente para chamar ainda mais a atenção sobre a necessidade de proteção a esta área tão rica, mas também, como promovê-la através do ecoturismo.

As Ilhas de Galápagos, no Equador, e a Grande Barreira de Coral, na Austrália, também possuem o título de “Pontos de Esperança”.

Preservação e novas descobertas

Há uma década pesquisadores da Projeto Ilhas do Rio monitoram a região e fazem um trabalho importantíssimo para a conservação de espécies e seus habitats. Ao longo desses anos, realizaram descobertas curiosas, como uma espécie de perereca que só existe ali; e uma espécie de árvore, a Gymnanthes nervosa, que não era encontrada no município do Rio de Janeiro desde 1940.

Também foram catalogadas esponjas do mar com propriedades medicinais, como a Petromica citrina (ou esponja-dourada), e outras ameaçadas, como a esponja-carioca Latrunculia janeirensis.

O Monumento Natural das Ilhas Cagarras, no RJ, é reconhecido internacionalmente como santuário da biodiversidade

Macaquinho-cabeça-preta
(Foto: @Athila Bertoncini / Ilhas do Rio)

Entre os cetáceos observados nas Ilhas Cagarras estão golfinho-flíper, golfinho-de-dentes-rugosos, orca, baleia-de-bryde, baleia-jubarte e baleia-franca-austral.

Muitas espécies são endêmicas da região, ou seja, só existem ali e em nenhum outro lugar do mundo
(Foto: @Athila Bertoncini / Ilhas do Rio)

Outra ação de destaque feita pelo time do projeto é em relação à vegetação da Ilha Comprida. Ela foi tomada pelo capim-colonião, uma espécie invasora africana, que acaba com a flora local nativa. Aos poucos, o capim tem sido retirado e nos últimos sete anos foram plantadas 350 mudas de quatro espécies nativas, entre elas, a aroeira (Schinus terebinthifolius), que cresceu bem no local. Já podem ser vistas várias árvores dela, com mais de 3 metros de altura e frutos.

O Monumento Natural das Ilhas Cagarras, no RJ, é reconhecido internacionalmente como santuário da biodiversidade

O título de “Hope Spot” pode impulsionar o ecoturismo na região
(Foto: @Athila Bertoncini / Ilhas do Rio)

Leia também:
Após dois meses de tratamento, tartaruga resgatada próximo às Ilhas Cagarras, no Rio de Janeiro, volta ao mar
Salvador ganha o Parque Marinho da Barra, mais um aliado na preservação das riquezas naturais da capital baiana
Parque Marinho de Abrolhos inaugura trilha de mergulho noturno
Em primeira nova descoberta após 120 anos, cientistas se deparam com recife de 500 m de altura na Grande Barreira de Corais

Foto de abertura: divulgação Projeto Ilhas do Rios: @Athila Bertoncini (aérea destaque no mosaico/caranguejo-de-coral, coral cor de rosa, peixes) e Fernando Moraes (bromélia)

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE