Angu pra não ficar borocochô

Angu pra não ficar borocochô

 – Enquanto você vai com o fubá, já tô voltando com o angu pronto.

Ah, que bom! Volta, sim. Volta e me traz ele quentinho, purinho, sem complicação, sem muita feitura, sem demora nem pressa.

Um angu com dengo, com chamego, pra eu não ficar borocochô.

No prato, aquela cor amarela meio desmaiada, mas que nada…

O aroma do alho frito no óleo antes de tudo, a textura dos grãozinhos tão miúdos da farinha de milho trituradinha. A papa que aquece, enternece.

Se quiser, nos divertimos com sobrepostos: um cozido de carne bem macio, um ovo frito, um molhinho de tomate discreto, uma verdura bem verde escura refogada, um queijo potente derretido em cima, o frango caipira ensopado? Escolhe.  Mas volta com o angu. Deixar de comê-lo é descuido gastronômico. Vamos honrar as origens do prato que me consta ter vindo com os africanos, passou por inúmeras panelas, saltou do inhame pro milho, ganhou consistência mais ou menos firme, faz a maior confusão com a polenta italiana. Não tem importância.

Angu é um xodó. Volta logo com esse angu.

Receita de angu

INGREDIENTES
2 dentinhos de alho socados
500  ml de água ou caldo de frango ou legumes
4 colheres de sopa de fubá hidratado em 100 ml de água fria
Colher de pau pra mexer o angu

MODO DE PREPARO

Frite alho numa panela de fundo grosso num fio de óleo quente. Não deixe que queime. Jogue 500 ml de água – ou caldo de frango ou de legumes – salgue a gosto (dei uma receita de caldo de calinha neste outro texto).

Quando a água ferver, junte o fubá hidratado. Mexa sem parar, com cuidado, pra cozinhar por inteiro, sem empelotar e até  atingir a consistência desejada de angu cremoso.  

Desligue a panela antes de absorver todo o líquido, porque o fubá vai continuar cozinhando. Se a consistência estiver muito firme na hora de servir, aqueça e acrescente mais um pouquinho de líquido.

As duas sugestões de acompanhamento abaixo ficam mais saborosas no angu cremoso.

TOMATINHO ASSADO OU CONFIT

INGREDIENTES
500 g de tomatinho cereja
100 ml de azeite
1 colher (chá) de sal
1 colher ( chá ) de açúcar mascavo
manjericão fresco

PREPARO

Corte os tomatinhos ao meio. Numa assadeira regada com azeite, distribua os tomatinhos, tempere com sal e açúcar, espalhe folhas de manjericão fresco, regue com mais azeite e leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por, no máximo, uma hora.

Use generosamente sobre o angu, enfeite com manjericão fresco. O que sobrar, guarde num pote com azeite, como se fosse uma conserva.

SHIMEJI NA MANTEIGA

INGREDIENTES
1/2 cebola roxa picadinha
400 g de shimeji já destacados do talo 
2 colheres de manteiga
1 cálice de cachaça ou vinho branco – eu prefiro cachaça
sal a gosto
pimenta branca moída na hora a gosto
um fiozinho de shoyu (nem precisa, mas fica como sugestão)
uma porção de tomilho ou salsinha frescos

PREPARO

Derreta a manteiga numa frigideira, refogue a cebola roxa, acrescente o  shimeji, mexa delicadamente, acrescente sal, despeje a cachaça. O shimeji vai dar uma murchadinha.

Finalize com pimenta branca moída na hora e tomilho fresco.

Depois de pronto o acompanhamento do angu, a montagem: escolha um prato fundo ou uma cumbuca, despeje uma porção de angu quentinho. Sobreponha com a guarnição. Sirva.

Não esquece: no tomatinho, manjericão e queijo parmesão se precisar; no shimeji, tomilho ou salsinha arrematam. 

Leia também:
Deu errado, mas a gente segue com a mão na massa do ravioli de abóbora

A visita trouxe rolinho de berinjela
Cozinha de quarentena: temperando o isolamento com acolhimento
Pão é partilha. Receita também!
Na cozinha, de quarentena
Cheesecake para adoçar a quarentena

Foto: Daniel Klein on unsplash

Cássia Miguel

Mulher de marido, mãe de filho, madrasta de enteados. Começou a carreira profissional vendendo pinga e pão com mortadela na venda dos pais, em Minas. Foi bancária, revisora de jornal, rádio escuta, repórter, editora e apresentadora de TV. Hoje é especializada em media training, com foco para entrevistas em TV e vídeo. Fez jornalismo na PUCCAMP, pós graduação em Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas na USP e Análise do Discurso na PUC SP. Tudo isto sem tirar o pé da cozinha

Deixe uma resposta