América Latina e Caribe apresentam maior redução global de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes, alerta relatório do WWF

América Latina e Caribe apresentam maior redução global de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes, alerta relatório do WWF

Nosso relacionamento com a natureza está em desequilíbrio. Esta é a principal conclusão e alerta que faz o relatório recém-divulgado pela organização internacional WWF – “Planeta Vivo 2020“. De acordo com o levantamento, houve um declínio de 68% nas populações de mamíferos, aves, peixes, anfíbios e répteis, no mundo todo, entre os anos de 1970 e 2016.

Todavia, quando se olha para regiões específicas, o estudo traz um dado extremamente perturbador: na América Latina e no Caribe, a queda no número de indivíduos dessas espécies chega a 94% – muito maior do que em qualquer outro lugar do planeta.

Em termos de comparação, a África é o continente que apresenta a segunda maior perda, com 65%, e na Ásia e Pacífico, a porcentagem é de 45%. Não que sejam números mais animadores, mas as estatísticas latinas e caribenhas são assustadoras.

“Ao olhar para o tamanho do estrago que causamos à vida no planeta nas últimas décadas, o novo relatório nos obriga a refletir sobre o que fazemos hoje e o que podemos esperar adiante. As atuais taxas de desmatamento na Amazônia e no Cerrado nos conduzirão a mais secas, queimadas, desaparecimento de espécies, novas doenças e vidas humanas ameaçadas”, afirma Mariana Napolitano, gerente do Programa de Ciências do WWF-Brasil. “A opção que governos, empresas e sociedade fizerem agora irá determinar nosso futuro. É hora de escolher de que lado estamos”, ressalta.

América Latina e Caribe apresentam maior redução global de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes, alerta relatório do WWF

Europa e Ásia Central são as regiões com os mais baixos índices
de perda de biodiversidade

Agropecuária, crise climática e tráfico de animais

Para os especialistas envolvidos na elaboração do “Planeta Vivo 2020” a queda brutal nas populações de animais em áreas tropicais da América se deve, sobretudo, à conversão de campos naturais, savanas, florestas e pântanos em solo para pastagem e cultivo agrícola, a introdução de espécies exóticas, a comercialização de animais silvestres e também, aos efeitos das mudanças climáticas.

Apesar de sempre termos em mente os “grandes africanos” quando falamos em extinção de espécies, como elefantes, leões e rinocerontes, o relatório mostra que, no caso de Caribe e América Latina, são répteis, anfíbios e peixes, os mais impactados.

“Para peixes de água doce, isso se deve principalmente à superexploração; para répteis, o problema é a perda de habitat; e, para os anfíbios, a maior ameaça são as doenças”, apontam os pesquisadores.

No Brasil, um exemplo triste dessa realidade é a Mata Atlântica, que desde 1500 já perdeu 87% da sua vegetação. Como consequência, pelo menos duas espécies de anfíbios foram extintas neste bioma e outras 46 estão ameaçadas de desaparecer.

Esforços de conservação e mudanças de hábitos

O Índice Planeta Vivo (IPV) foi lançado, pela primeira vez, em 2018. Para esta edição, foram analisadas quase 21 mil populações de mamíferos, pássaros, peixes, répteis e anfíbios no mundo inteiro. Com esses dados, calcula-se a mudança percentual média nas populações desde a década de 70. No relatório de 2020, foram incluídas cerca de 400 novas espécies e 4.870 novas populações.

“A destruição da natureza pela humanidade está provocando impactos catastróficos não apenas nas populações de animais, mas também na saúde humana e em todos os aspectos de nossas vidas”, lamenta Marco Lambertini, diretor-geral do WWF-International.

Entretanto, o relatório “Planeta Vivo 2020” não fala apenas dos problemas, mas também, recomenda soluções. Há a menção a um artigo publicado na renomada revista científica Nature, fruto de uma parceria entre o WWF e mais de 40 ONGs e instituições acadêmicas. Nele, especialistas afirmam que esse cenário de destruição pode ser revertido, mas são necessários esforços de conservação mais ousados e ambiciosos e mudanças na maneira como produzimos e consumimos alimentos.

Um dos casos citados como exemplo de preservação é a recuperação da população de onças-pintadas no Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná. O trabalho feito pelo Projeto Onças do Iguaçu tem se mostrado extremamente bem-sucedido.

A espécie desse felino foi quase foi extinta na década de 90 no estado. Estimativas indicavam que, em 2009, eram apenas onze indivíduos. Graças ao programa de conservação, em 2018 esse número subiu para 28. E no ano passado, foram identificadas dez novas onças no parque, incluindo três filhotes.

América Latina e Caribe apresentam maior redução global de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes, alerta relatório do WWF

*O relatório completo você encontra neste link.

Leia também:
Rãs, pererecas e sapos infectados por nanavírus são descobertos na Mata Atlântica
Fungo dizima mais de 500 espécies de anfíbios no mundo
Desmatam
ento favorece ação de fungo que dizima anfíbios
Milhões de aves, tartarugas, mamíferos e peixes estão sendo retirados da Amazônia pelo tráfico

Foto: © naturepl.com/Alex Mustard/WWF

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “América Latina e Caribe apresentam maior redução global de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes, alerta relatório do WWF

  • 12 de setembro de 2020 em 11:59 AM
    Permalink

    Não é pra menos. Qual mamifero, ave, anfíbio, réptil ou peixe vai ser louco o bastante para mergulhar de cara nesse inferno chamado Planeta Terra, com exceção do mamífero terráqueo que perdeu a noção, faz tempo, e por isso está aumentando o índice populacional do mundo , sem o espaço, basicamente saudável onde instalar os bebês da sua espécie ainda não extinta, mas falta pouco.

    Resposta

Deixe uma resposta