Amazônia tem aumento de 64% no desmatamento em abril, indicam alertas do Inpe

Amazônia tem aumento de 64% em abril, indicam alertas do Inpe

Com o Brasil sendo apontado como o próximo epicentro da pandemia do novo coronavírus – já são quase 190 mil casos confirmados e mais de 13 mil mortes – , a Amazônia segue sem proteção e sendo destruída.

De acordo com o mais recente levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com dados do Deter*, o sistema de alertas de desmatamento, em abril houve um aumento de 64% na destruição da floresta.

Entre os dias 1º e 30 de abril, foram desmatados 405,61 km² de vegetação. Em abril de 2019, esse número foi de 247,39 km².

Ainda segundo o Inpe, de janeiro a abril deste ano já foram perdidos 1.202 km² de florestas, volume 55% maior ao registrado no mesmo período do ano passado.

Em março, conforme noticiamos aqui também, a Amazônia já tinha registrado aumento de quase 30% no desmatamento. Além disso, os três primeiros meses de 2020 apresentaram o maior índice de devastação vegetal dos últimos cinco anos.

Recentemente, o governo exonerou dois chefes de fiscalização do Ibama responsáveis por operações contra garimpos em terras indígenas na Amazônia (leia mais aqui).

Não bastasse isso, em meio ao combate à COVID-19, a Medida Provisória 910/2019, que facilita a grilagem de terras públicas, autorizando a concessão dos títulos dessas terras a seus invasores e alterando a Lei da Regularização Fundiária – foi colocada em pauta no Plenário da Câmara dos Deputados por seu presidente, Rodrigo Maia.

Conforme a jornalista Mônica Nunes contou nessa outra reportagem detalhada, a MP da Grilagem, como está sendo chamada, teve sua votação adiada para a semana que vem, graças à pressão da oposição.

Enquanto isso, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, que coordena o Conselho da Amazônia, criado em janeiro por Jair Bolsonaro, ao lado do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, afirmou esta semana “que o governo brasileiro não quer ser tachado de “vilão” em relação às políticas de preservação da Amazônia”.

Infelizmente, é impossível não pensar assim.

O governo garantiu que 3,8 mil homens das Forças Armadas trabalharão na Amazônia para conter o avanço do desmatamento ilegal e no combate aos incêndios na região.

————————————————————————–

* O Deter foi desenvolvido como um sistema de alerta para dar suporte à fiscalização e controle de desmatamento e da degradação florestal realizados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e demais órgãos ligados à área ambiental do país.

Leia também:
Terra indígena Ituna-Itatá é um retrato da devastação na Amazônia: desmatamento e grilagem ameaçam povos isolados durante a pandemia
A destruição do meio ambiente pelo governo, em três atos: redução da fiscalização, Funai contra o índio e devastação da Mata Atlântica
Estados da região Sul somam mais de R$ 3 bilhões de multas ambientais não pagas nos últimos 25 anos
O ‘próximo coronavírus’ virá da Amazônia, com o avanço do desmatamento?

Foto: Ibama/Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta