Amazônia tem aumento de 14% no desmatamento em dezembro e 2020 segundo pior índice de destruição dos últimos cinco anos

Amazônia tem aumento de 14% no desmatamento em dezembro e 2020 segundo pior índice de destruição dos últimos cinco anos

Infelizmente, mais uma má notícia pra começar 2021. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou hoje os dados dos alertas do Sistema Deter de dezembro de 2020. Os números apontam que foram destruídos 216 km2 da Amazônia, um aumento de 14% em relação ao mesmo mês de 2019.

Quando analisado o período de janeiro a dezembro do ano passado, o total da área devastada na Floresta Amazônica foi de 8.426 km2, a segunda pior marca anual do sistema de monitoramento Deter, iniciado em 2015, só ficando atrás de 2019, quando foram registrados 9.178 km2 desmatados.

Os números revelam que nos primeiros dois anos da gestão do presidente Jair Bolsonaro, a média anual de desmatamento na Amazônia foi de 8.802 km2, um aumento de mais de 81% em comparação à média dos três anos anteriores à sua posse (2016 a 2018): 4.845 km2.

“Bolsonaro teve dois anos de mandato e os dois piores anos de Deter ocorreram na gestão dele. As queimadas, tanto na Amazônia quanto no Pantanal, também cresceram por dois anos consecutivos. Não é coincidência, mas sim o resultado das políticas de destruição ambiental implementadas pelo atual governo”, avalia Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Não bastassem os números do desmatamento que seguem em ritmo crescente, mês a mês, o Inpe deverá ter corte de 15% no orçamento em 2021. A informação foi revelada por Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, pasta à qual o Inpe está vinculado, no mesmo dia em que os dados do instituto apontaram que a Amazônia teve o índice mais alto de destruição da floresta dos últimos 12 anos (leia mais aqui).

Além disso, como noticiamos nesta outra reportagem, sem licitação e ignorando parecer do Inpe, o governo comprou um novo satélite para monitorar desmatamento. O Comando da Aeronáutica assinou, em sigilo, a aquisição no valor de R$ 175 milhões, mas não revela detalhes técnicos do equipamento, que especialistas temem ser inadequado para o monitoramento da Amazônia.

Leia também:
Em carta à Mourão, deputados europeus declaram preocupação com controle sobre ONGs que atuam na Amazônia
Amazônia tem o outubro com o maior desmatamento dos últimos dez anos
Quase 50% dos focos de incêndio na Amazônia estão em áreas recém-desmatadas, revela Inpe

Sociedade civil entra com ação no Supremo Tribunal Federal pela retomada imediata de plano de combate ao desmatamento na Amazônia
“Percepção do governo alemão sobre o governo Bolsonaro não mudou”, diz embaixador que viajou para a Amazônia

Foto: Alan Assis/Sema/Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Amazônia tem aumento de 14% no desmatamento em dezembro e 2020 segundo pior índice de destruição dos últimos cinco anos

  • 11 de janeiro de 2021 em 2:06 PM
    Permalink

    Súditos não costumam ter consideradas e atendidas as reivindicações que não sejam convenientes aos interesses majoritários das realezas, ainda que visem beneficiar minorias desfavorecidas e meio ambiente sucateado. Ainda que o ululante óbvio as represente e justifique, não serão atendidas e/ou sequer estudadas, sempre que não se coadunem com a visão unilateral da cúpula, ocupada demais com assuntos “mais relevantes” onde, por exemplo, salvar o Planeta está fora de questão.

    Resposta

Deixe uma resposta